Colquímica Adhesives fechou 2017 com 93 milhões de faturação

A empresa gerida pelo CEO João Pedro Koehler, especializada na produção de adesivos tecnológicos, encerrou o exercício de 2017 com um volume de negócios na ordem dos 93 milhões de euros.

A Colquímica, empresa nacional sedeada em Valongo, completou 65 anos e decidiu fazer um ‘rebranding’ para Colquímica Adhesives.
A empresa gerida pelo CEO João Pedro Koehler, especializada na produção de adesivos tecnológicos, encerrou o exercício de 2017 com um volume de negócios na ordem dos 93 milhões de euros, afirmando-se como um dos mais importantes ‘players’ mundiais do setor.
Neste momento, a Colquímica Adhesives já está presente em mais de 60 países por todo o Mundo, contando com unidades de produção em Portugal e na Polónia.
“Cada vez com uma presença mais internacional, o ‘rebranding’ surgiu da necessidade de renovar a imagem da marca, dotando-a de uma personalidade mais presa com os pilares do seu ADN: proximidade, inovação e agilidade”, explica um comunicado da Colquímica Adhesives.
Segundo o mesmo documento, “desta forma, nasceu a Colquímica Adhesives, capaz de reafirmar a qualidade, a seriedade e o profissionalismo com que sempre habituou os seus parceiros, clientes e ‘stakeholders’, não descurando do humanismo e da proximidade com que há tantos anos cultiva e cria as suas relações”
“A Colquímica Adhesives conta ainda com uma nova arquitetura de marca, com uma cultura global reforçada, segmentada por tecnologias de produção e por mercados em que opera. O projeto é da responsabilidade do departamento de Marketing da Colquímica Adhesives com a assessoria de uma agência criativa com sede no Porto”, acrescenta o referido comunicado.
Os responsáveis da Colquímica Adhesives destacam que, na área da investigação e desenvolvimento, a empresa é reconhecida mundialmente como criadora de tendências através do lançamento de produtos inovadores no mercado”, recordando que apresenta um diversificado ‘portfolio’ de produtos que se enquadra em cinco principais mercados: ‘non-woven’ e higiene, encadernação, embalagem, colchões e montagem de produtos.
João Pedro Koehler, o CEO, salienta que “este ‘rebranding’ surgiu numa altura importante da vida empresa”.
“São 65 anos de atividade. Temos um longo percurso e queremos continuar a responder com rapidez, eficiência e eficácia às necessidades dos diversos mercados onde nos encontramos e esta foi a forma mais adequada para o fazer”.
Para Sofia Koehler, vice-presidente da empresa, o maior objetivo de todo este trabalho passa por “reforçar os compromissos assumidos de fomentar relações duradouras com os nossos parceiros de negócio, de criar inovação, de desenvolver qualidade, de promover sustentabilidade e de agir com prontidão”.
“Crescemos, mas mantemos a qualidade e o rigor em todos os processos de desenvolvimento dos nossos produtos”, assegura esta responsável.
O ‘rebranding’ da marca foi publicamente apresentado ontem, dia 2 de janeiro.
Recomendadas

Manuel Pinho volta à comissão de inquérito de Energia a 20 de dezembro

O antigo governante propôs as datas de 18, 19 e 20 de dezembro e a comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas da energia escolheu a última.

“Bolachas Ronaldo”. Café português no Reino Unido envolto em polémica

Relação das bolachas ao alegado caso de violação que envolve, nos Estados Unidos, o futebolista português Cristiano Ronaldo desencadeou uma série de comentários negativos.

António Costa sobre OE2019: “Reduz défice, dívida e aumenta investimento público”

Primeiro-ministro apresentou o OE2019 aos deputados socialistas e não poupou elogios ao documento: “este Orçamento melhora a vida dos portugueses”.
Comentários