Comissão Europeia dá ‘luz verde’ a turcos da OYAK para compra da Cimpor

Bruxelas aprovou o negócio que prevê a integração no portefólio da Ordu Yardimlaşma Kurumu três fábricas e as duas moagens de cimento, 20 pedreiras e 46 centrais de betão localizadas em Portugal e em Cabo Verde.

A Comissão Europeia aprovou esta quinta-feira, ao abrigo do Regulamento das Concentrações da União Europeia, a compra do controlo exclusivo sobre a Cimpor – Cimentos de Portugal pela turca Ordu Yardimlaşma Kurumu (OYAK).

Bruxelas concluiu que, embora tanto a Cimpor como o fundo de pensões OYAK estejam ativos na indústria do cimento, “a operação proposta não suscitaria preocupações em matéria de concorrência devido à ausência de sobreposições verticais ou horizontais, uma vez que as duas empresas não desenvolvem atividades nos mesmos mercados geográficos”.

A instituição europeia liderada por Jean-Claude Juncker refere que a transação “foi examinada no âmbito do procedimento simplificado no contexto do procedimento de exame da concentração”.

A 26 de outubro de 2018, os brasileiros donos da cimenteira nacional e o conglomerado industrial e financeiro OYAK assinaram um contrato com vista à aquisição pelos turcos de todos os ativos que compõem a unidade de negócio de Portugal e Cabo Verde da Cimpor. O valor do negócio não foi revelado mas a agência “Reuters” noticiou, na altura, que a InterCement encaixaria 700 milhões de euros.

A InterCement – empresa do grupo Camargo Corrêa que atua na produção de cimentos e responsável pela compra da Cimpor em 2012 por 1,5 mil milhões de euros – assinou com o grupo OYAK um contrato “que tem como objeto a venda de todos os ativos que compõem a unidade de negócio de Portugal e Cabo Verde”, referia o comunicado, divulgado nessa data.

Através desta aquisição, a OYAK integrará no seu portefólio as três fábricas e as duas moagens de cimento, as 20 pedreiras e as 46 centrais de betão localizadas em Portugal e em Cabo Verde. As atuais estruturas diretivas das áreas produtivas e dos serviços centrais da Cimpor em Portugal e Cabo Verde manter-se-ão em funções, garantiram as partes.

Notícia atualizada às 12h30

Ler mais
Relacionadas

Brasileiros vendem Cimpor ao turcos da OYAK

O novo dono da Cimpor é um conglomerado industrial e financeiro da Turquia.
Recomendadas

União Europeia financia segurança documental em Cabo Verde e Guiné-Bissau

O acordo facilita registos civis, emissão de documentos de viagem, passaportes e documentos de identificação entre os cidadãos dos dois países.

Acordo de modalidade da CPLP só será finalizado em novembro

“A comissão técnica deve apresentar o texto final aos ministros dos Negócios Estrangeiros, na sessão extraordinária do Conselho de Ministros da CPLP, previsto para janeiro de 2020, em Cabo Verde”, disse Luís Filipe Tavares.

Centro de Língua Portuguesa Camões inaugurado amanhã em Mindelo

O centro de língua portuguesa localizado em Cabo Verde integra uma rede de mais de 70, presentes em 43 países, e é financiado pelo Instituto Camões.
Comentários