Comissão de inquérito vai visitar Tancos e inicia audições em janeiro

A comissão vai ouvir, até maio de 2019, 63 personalidades e entidades, incluindo o depoimento, por escrito, do primeiro-ministro, António Costa.

A comissão de inquérito ao furto de material de militar de Tancos vai reunir-se duas vezes por semana e começa as audições às 63 personalidades em janeiro, segundo o calendário acordado, divulgado esta sexta-feira.

Um deputado da comissão disse hoje à Lusa que, após a semana do Natal, a comissão vai também fazer visitas a Tancos e ao Campo Militar de Santa Margarida, para onde foi transferida grande parte do material após o furto, em junho de 2017.

A partir de janeiro, começam as audições de pelo menos 63 personalidades e entidades, de acordo com as propostas apresentadas pelos partidos e aprovadas na reunião de quarta-feira. A comissão vai ouvir, até maio de 2019, 63 personalidades e entidades, incluindo o depoimento, por escrito, do primeiro-ministro, António Costa.

A comissão parlamentar de inquérito sobre as consequências e responsabilidades políticas do furto do material militar dos paióis de Tancos iniciou os trabalhos em 14 de novembro e tem como objeto “identificar e avaliar os factos, os atos e as omissões” do Governo “relacionados direta ou indiretamente com o furto de armas em Tancos”, de junho de 2017, data do furto, ao presente, e “apurar as responsabilidades políticas daí decorrentes”.

O furto do material militar, entre granadas, explosivos e munições, dos paióis de Tancos foi noticiado em 29 de junho de 2017.

Em setembro, a investigação do Ministério Público à recuperação do material furtado, designada Operação Húbris, levou à detenção para interrogatório de militares da Polícia Judiciária Militar e da GNR e foi nessa altura que o CDS anunciou a comissão de inquérito, aprovada apenas com a abstenção do PCP e do PEV.

A comissão tem o prazo de 180 dias, até maio de 2019, prorrogável por mais 90, para chegar a conclusões.

Ler mais
Recomendadas

Greve dos enfermeiros: PGR assume como “gralha” alteração de data de parecer

A Procuradoria-Geral da República (PGR) assumiu hoje como “uma gralha” a alteração da data de publicação em Diário da República do primeiro parecer sobre a “greve cirúrgica” dos enfermeiros, atrasando em 81 dias aquela data.

Marcelo apelou a convergências na saúde ultrapassando posições estanques

Presidente da República disse ser importante procurar as convergências para ultrapassar “posições estanques”, que “são cruciais num determinado momento, e depois se chega à conclusão de que não têm importância nenhuma no fluir da história”.

Conselho de Ministros aprova medidas para precaver “Hard Brexit”

Governo decidiu criar uma linha específica de apoio para as empresas nacionais com exposição ao Brexit, no montante global de 50 milhões de euros.
Comentários