Como baixar o spread do crédito à habitação?

A última retoma do mercado imobiliário trouxe consigo uma “guerra de spreads” entre os bancos, que fez com que o valor desta taxa fosse baixando. Além disso, o spread ainda é uma percentagem que em muito varia consoante o nível de risco de cada cliente e, como tal, pode ser negociável. Descubra, neste artigo, algumas dicas que podem […]

A última retoma do mercado imobiliário trouxe consigo uma “guerra de spreads” entre os bancos, que fez com que o valor desta taxa fosse baixando. Além disso, o spread ainda é uma percentagem que em muito varia consoante o nível de risco de cada cliente e, como tal, pode ser negociável. Descubra, neste artigo, algumas dicas que podem ajudar a baixar o spread do crédito habitação.

Com os bancos a concorrerem ferozmente com campanhas apelativas, comprar aquela moradia nos arredores ou o apartamento de sonho no centro da cidade, com bons acessos e perto do trabalho, torna-se possível. Mas cuidado: não há almoços grátis. Um spread reduzido não vem sem contrapartidas e pode não compensar.

Mesmo para quem já tem um crédito habitação, é útil saber como baixar esta taxa e ficar a par dos valores que estão a ser praticados atualmente pelo mercado, pois existe sempre a possibilidade de se transferir o empréstimo para outra instituição ou mesmo negociar o spread que se tem com a atual.

Siga os passos abaixo para ter a certeza de que faz a melhor escolha.

Negociar para baixar o spread é imperativo

Se perceber que o seu spread se encontra neste momento acima de 2%, é a altura ideal para se deslocar ao banco para falar com o seu gestor de conta e propor-lhe baixar o spread. Quanto melhor for a sua relação com o banco, mais vantajoso será para si. Um cliente antigo e com um bom historial de crédito tem maior poder de negociação.

Por conseguinte, é essencial comparar outras ofertas do mercado, simular e analisar alternativas. Assim, quando se deslocar ao banco, poderá mostrar o quão informado se encontra acerca do assunto e da concorrência e poupar umas belas dezenas de euros.

Estar disposto a subscrever outros produtos do banco

As práticas de cross-selling são comuns nas instituições bancárias: para baixar o spread é normal que o banco peça ao cliente que subscreva outros produtos financeiros, tais como cartões de crédito ou seguros, ou até que domicilie o ordenado.

Isto é algo que até pode beneficiar o consumidor que assim, para além de baixar o spread, ainda estreita a sua relação com o banco. No entanto, é fundamental comparar os custos destes outros produtos, pois se os encargos anuais com um cartão ou um seguro adicional forem superiores à diminuição do spread, pode não compensar.

Como comparar as despesas associadas a estes produtos? É simples e é através da TAEG (Taxa Anual de Encargos Efetiva Global), que representa o custo total do empréstimo ao englobar o valor dos seguros contratados com o empréstimo, comissões, juros, despesas com impostos e/ou relativas a registos (se aplicável) e outros encargos que possam estar associados.

Mudar de banco é possível?

Sim. Se encontrar uma proposta com melhores condições noutra instituição, basta proceder à renegociação ou à transferência do crédito à habitação em qualquer momento do contrato.

É necessário apenas avisar o banco com uma antecedência de 10 dias úteis. Mas atenção: esta transferência não é feita sem custos para o consumidor. Se quiser proceder desta forma, de acordo com o artigo 23º do Decreto-Lei nº 74-A/2017, terá de pagar uma comissão à instituição credora, sendo que essa não pode:

  • Exceder 0,5% do capital que é reembolsado para os contratos com taxa variável;
  • 2% no caso dos de taxa fixa.

Se for para reduzir a sua prestação, por exemplo, em 50 euros, se calhar é melhor pensar bem antes de pagar uma comissão elevada. É uma questão de fazer as contas.

No início do empréstimo, dê a maior entrada que conseguir

Quanto maior for a entrada inicial do imóvel, menor será o financiamento que o banco tem de lhe conceder e, consequentemente, menor será o spread. Desta forma, é possível baixar o spread logo no início da contratação se tiver possibilidade de dar mais capitais próprios para a compra da casa.

No entanto, e para concluir, note que, mesmo que um determinado banco publicite um spread mínimo muito apelativo, não é garantido que consiga esse valor no seu contrato, uma vez que esta taxa se encontra sujeita a uma avaliação das características do cliente, do montante do financiamento e do rácio LTV.

Ler mais
Relacionadas

Vai pedir um crédito à habitação? Saiba como calcular o importante rácio LTV

Se está a pensar em comprar casa, há termos com os quais vai ter de lidar e um deles é o Loan-to-Value. Descubra como calcular este rácio tão importante na hora de solicitar crédito habitação.

Quatro razões para refinanciar um crédito habitação

Refinanciar o crédito habitação permite reduzir a prestação mensal, alargar os prazos de pagamento e diminuir as taxas de juro através da concessão do seu imóvel como garantia de pagamento. Saiba tudo sobre o tema neste artigo.

Crédito à habitação. Quais os bancos com os spreads mais baixos?

Concorrência entre os bancos encosta spread mínimo a 1%, cerca de metade do valor dominante depois da crise financeira.
Recomendadas

Guia do direito a férias: tudo o que precisa de saber

Fique a saber como pode gozar os seus dias de férias, a partir de quando, como funciona a marcação e ainda se pode acumular dias de férias do ano anterior.

Fenprof diz que apenas 30% das crianças regressaram ao pré-escolar

O levantamento feito pela Federação Nacional dos Professores tem por base informações relativas a 579 jardins de infância, contando-se neste número 91 agrupamentos completos, que totalizam 358 do total de jardins de infância considerados neste levantamento. Há agrupamentos “a deslocar crianças de uns jardins de infância para outros”.

País tem este ano 68 praias Zero Poluição e nenhuma fica no interior

As praias Zero Poluição, da associação Zero, representam 11% do total das 621 zonas balneares em funcionamento.
Comentários