Como investir em tempos de coronavírus?

A recente pandemia do novo coronavírus abalou os mercados e alavancou o medo dos investidores. Em tempos de crise de saúde pública, saiba como contornar o panorama mundial e investir sem medos.

O novo coronavírus, responsável pela infeção respiratória aguda Covid-19, é já considerado pela Organização Mundial de Saúde uma ameaça ao nível pandémico. Mais de 130 mil pessoas contraíram o vírus, desde que este foi identificado pela primeira vez no final de dezembro na cidade chinesa de Wuhan.

Além do enorme custo de vidas, com mais de 7000 mortes registadas, a crise de saúde pública converteu-se numa crise generalizada e que atravessa dimensões da vida comum.

O impacto mais imediato faz-se sentir nas bolsas de valores e no mercado de ações. A 27 de fevereiro, o NASDAQ-100, o S&P 500 e o Dow Jones tiveram as quedas mais acentuadas desde 2008. Por todo o mundo, as bolsas de valores registaram as maiores perdas desde a crise e, à data, muitas foram as bolsas que implementaram medidas limitativas, de forma a contrariar a perda e a conter uma implosão das mesmas.

Nos tempos que correm, o medo de muitas pessoas não gira apenas em torno da sua saúde, mas também na saúde dos seus investimentos. Para contrariar o elevado nível de volatilidade que se regista em todo o mundo, há que procurar alternativas.

Certo, investidores mais experientes e habituados a esta instabilidade podem saber navegar no mar de incertezas que se adivinha para os próximos tempos. Alguns regressarão à bolsa e às ações, enquanto outros buscarão títulos do tesouro, que apresentam rendimentos normalmente muito baixos, ou ouro, mas este também pode ser muito volátil.

Mas, onde ficam os investidores mais inexperientes e novatos? Alternativas aos modelos tradicionais de investimento não faltam.

Há vários anos que assistimos ao aparecimento de inúmeras plataformas de investimento 100% digitais, nomeadamente na área do crowdlending. A Bondora é uma destas plataformas, por várias vezes considerada uma das plataformas mais recomendadas da Europa.

Na prática, é bastante simples: o investidor coloca o seu dinheiro à disposição de pessoas que procurem empréstimos e em troca, recebe esse dinheiro e os juros que lhe estão associados. Pode ser bastante lucrativo se tiver em conta o poder dos juros compostos (já aqui lhe tínhamos falado deles). Em toda a transação, a Bondora assume o papel de intermediária.

Se escolher investir com a Bondora, que está há mais de 10 anos no mercado, preste atenção especial ao Go & Grow. O nome diz tudo: é uma ferramenta da plataforma que lhe permite que apenas acrescente fundos à sua conta. Depois, basta esperar e o seu investimento começará a render a taxa esperada de até 6,75%* ao ano. Os ganhos são recebidos diariamente e o melhor de tudo? A qualquer momento pode pedir a retirada dos fundos em 100%.

 

 

*Como em qualquer investimento, o capital está em risco e os investimentos não são garantidos. O rendimento é de até 6,75% ao ano. Antes de investir, consulte por favor a declaração de risco da Bondora ou entre em contacto com o seu assistente financeiro.

É uma opção bastante simples e eficaz. Perfeita para investir com mais tranquilidade nos tempos que correm. Além disso, é muito fácil de usar e oferece boa liquidez. Pode começar a investir com um qualquer valor a partir de €1 — não se esqueça de que nos mercados tradicionais é preciso bastante capital para sequer gerar algum lucro.

Até ao momento, nenhum investidor no Go & Grow perdeu qualquer valor com a crise provocada pelo novo coronavírus, mesmo com a quebra dos mercados. A taxa de 6,75% manteve-se e gerou rendimentos como era esperado.

E se o medo é o que o impede de investir nestes tempos em que vivemos, ganhe alguma segurança e conforto sabendo que pode solicitar a retirada do seu dinheiro a qualquer momento. A melhor forma de um investidor sair da crise em que entrámos é evitar a volatilidade acentuada e confiar em soluções mais previsíveis.

 

Este conteúdo foi produzido em colaboração com a Bondora.

Ler mais
Recomendadas

Efacec vai para lay-off durante 30 dias a partir de 6 de abril

A empresa diz que o lay-off será aplicado “transversalmente a todos os níveis da organização”, tanto na modalidade de suspensão de contrato, como da redução temporária do horário de trabalho.

Serão os jogadores a pagar a crise no futebol português? Amanhã há ‘Jogo Económico

Numa crise sem precedentes, alguns dos clubes mais poderosos do mundo já anunciaram cortes significativos nos salários. Como será em Portugal? Joaquim Evangelista, presidente do Sindicato de Jogadores Profissionais de Futebol, é o convidado do programa ‘Jogo Económico’ que vai para o ar esta sexta-feira.

Parlamento quer ouvir Miguel Frasquilho sobre lay-off da TAP a 14 de abril

Assembleia da República aprovou por unanimidade a proposta do Bloco de Esquerda para ouvir, “com carácter de urgência”, o presidente do Conselho de Administração da TAP sobre a situação atual da empresa e a política laboral e comercial.
Comentários