Comporta vai ser vendida por 158 milhões ao consórcio de Paula Amorim

Venda da Comporta ao consórcio composto pela Vanguard Properties e pela Amorim Luxury tem o valor de 158 milhões e sai ser votado em assembleia geral dia 27 de novembro, revelou fonte ligada ao processo ao Jornal Económico. Leia mais na edição de amanhã.

O consórcio composto pela Vanguard Properties e pela Amorim Luxury vai comprar os dois ativos  do Fundo da Herdade da Comporta por 158 milhões de euros, apurou o Jornal Económico junto de fonte conhecedora do processo. O valor da proposta do consórcio para a compra dos ativos da Herdade da Comporta é assim superior ao oferecido pelo mesmo consórcio no concurso anterior.

No concurso anterior, que não passou na Assembleia de Participantes do Fundo detentor desses ativos, no passado dia 27 de julho, previa-se que este consórcio pagasse 147,4 milhões de euros pelos ativos da Comporta: 28 milhões em dinheiro e a assunção dos 119,4 milhões de dívida à CGD (à qual o fundo não paga juros há quatro anos), sendo que este consórcio dizia na altura que a proposta valia, na verdade, 156,4 milhões porque não incluía os créditos sobre a DCR & HDC (avaliados em 8,2 milhões) nem os lotes das Casas da Encosta (avaliados em 852 mil euros).

O atual negócio prevê que a Vanguard ficará responsável por 88% dos ativos da Herdade da Comporta e que nas mãos da Amorim Luxury ficarão 12%, que se referem a um hotel e outros imóveis.

A Gesfimo, sociedade gestora do Fundo da Herdade da Comporta, convocou um assembleia geral para dia 27 de novembro.

Leia mais na edição de amanhã do Jornal Económico.

 

Ler mais
Recomendadas

Calçado vegan? Sim, também já há

Uma empresa da Póvoa de Lanhoso considera que nem mesmo uma indústria tradicional como o calçado precisa de recorrer a produtos que, do ponte de vista da sustentabilidade, não fazem sentido.

Crédito Agrícola elege nova administração a 25 de maio

A Caixa Central de Crédito Agrícola é responsável pela coordenação e supervisão das 80 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo e é liderada por Licínio Pina desde 2013, há dois mandatos. O gestor trabalha no banco há mais de 30 anos.

Empresas começam projetos de inovação mas não conseguem acabar mais de metade

O excesso de projetos, a falta de liderança e a ausência de processos estão a bloquear o desenvolvimento das organizações mundiais, segundo o estudo “Having a successful innovation agenda”, elaborado pela multinacional Oracle.
Comentários