Comporta vai ser vendida por 158 milhões ao consórcio de Paula Amorim

Venda da Comporta ao consórcio composto pela Vanguard Properties e pela Amorim Luxury tem o valor de 158 milhões e sai ser votado em assembleia geral dia 27 de novembro, revelou fonte ligada ao processo ao Jornal Económico. Leia mais na edição de amanhã.

O consórcio composto pela Vanguard Properties e pela Amorim Luxury vai comprar os dois ativos  do Fundo da Herdade da Comporta por 158 milhões de euros, apurou o Jornal Económico junto de fonte conhecedora do processo. O valor da proposta do consórcio para a compra dos ativos da Herdade da Comporta é assim superior ao oferecido pelo mesmo consórcio no concurso anterior.

No concurso anterior, que não passou na Assembleia de Participantes do Fundo detentor desses ativos, no passado dia 27 de julho, previa-se que este consórcio pagasse 147,4 milhões de euros pelos ativos da Comporta: 28 milhões em dinheiro e a assunção dos 119,4 milhões de dívida à CGD (à qual o fundo não paga juros há quatro anos), sendo que este consórcio dizia na altura que a proposta valia, na verdade, 156,4 milhões porque não incluía os créditos sobre a DCR & HDC (avaliados em 8,2 milhões) nem os lotes das Casas da Encosta (avaliados em 852 mil euros).

O atual negócio prevê que a Vanguard ficará responsável por 88% dos ativos da Herdade da Comporta e que nas mãos da Amorim Luxury ficarão 12%, que se referem a um hotel e outros imóveis.

A Gesfimo, sociedade gestora do Fundo da Herdade da Comporta, convocou um assembleia geral para dia 27 de novembro.

Leia mais na edição de amanhã do Jornal Económico.

 

Ler mais
Recomendadas

Google suspende negócios com a Huawei após lista negra de Trump

A Huawei vai perder imediatamente acesso a atualizações do sistema operativo Android, e a próxima versão dos seus smartphones fora da China vai também perder acesso a aplicações e servios, incluindo o Google Play Store e o Gmail app.

Empresas do vinho do Porto satisfeitas com devolução de diploma sobre Casa do Douro

Criada em 1932 para defender os viticultores e a viticultura duriense na mais antiga região regulamentada e demarcada do mundo, a Casa do Douro foi perdendo atribuições até que a sua dimensão pública foi extinta em dezembro de 2014, no Governo PSD/CDS-PP, e a sua gestão entregue a uma organização privada, a Federação Renovação do Douro.

Cellnex e DST/Cube avançam para compra da fibra óptica da MEO

Há três candidatos que se preparam para avançar com propostas vinculativas para comprar a rede de fibra ótica da Meo. Entre eles a espanhola Cellnex e a DST em parceria com o Fundo Cube.
Comentários