Confederação do Desporto de Portugal critica Governo pela proibição de público nas bancadas

Através de um comunicado, a CDP questiona a “abertura de espírito demonstrada em relação à cultura”, e diz não compreender como é que esta não é “extensível a um fenómeno que tem também muito a ver com a cultura dos povos como o são as competições desportivas”.

A Confederação do Desporto de Portugal (CDP) criticou a decisão do governo em não permitir público nos eventos desportivos, dizendo não compreender a disparidade de critérios em relação a eventos culturais como “teatros, cinemas e, mais recentemente, as touradas”. A CDP deixou um apelo para que no próximo conselho de ministros a situação seja alterada.

Através de um comunicado, a CDP questiona a “abertura de espírito demonstrada em relação à cultura”, e diz não compreender como é que esta não é “extensível a um fenómeno que tem também muito a ver com a cultura dos povos como o são as competições desportivas”.

Segundo a CDP as “federações estão mais que preparadas para assegurar todas as condições sanitárias no que diz respeito ao coronavírus”, e acrescentam que a autorização de publico nas bancadas seria visto como “um voto de confiança por parte do governo” a estas instituições que estão encarregues de assegurar a segurança, a todos os níveis, nos respetivos eventos desportivos”.

Por fim, a CDP deixa o apelo para que, no próximo conselho de ministros, o governo “tome a decisão de permitir a presença de público em todos os eventos desportivos, uma medida que peca por tardia e consideramos ser urgente implementar em nome da sustentabilidade do movimento associativo desportivo”.

Recomendadas

Estádio do Dragão poderá receber adeptos nos jogos da Liga dos Campeões, anuncia UEFA

De acordo com a UEFA, o teste efetuado na final da Supertaça europeia, em Budapeste, a 24 de setembro, convenceu a entidade que rege o futebol europeu a avançar com a permissão de que os estádios possam receber até 30% da lotação total.

Figo discute com deputado espanhol no Twitter. “Paguei mais ao Fisco a dormir que tu acordado”

Na rede social, Luís Figo acusou o deputado do ERC Gabriel Rufián de falta de seriedade e de não apresentar propostas. O político respondeu ao lembrar que Figo foi apanhado pelo Fisco, em 2012. O português foi condenado a pagar 2,4 milhões de euros ao Fisco espanhol, por rendimentos obtidos, mas não declarados, em 1997, em 1998 e em 1999.

Vitória de Guimarães vai ter maioria da SAD após acordo com Mário Ferreira

Num comunicado publicado no sítio oficial, o clube minhoto refere que “formalizou um contrato com a Mário Andrade Ferreira, S.A.” para “adquirir, de modo faseado”, até 31 de março de 2022, a “totalidade das ações representativas do capital social da Vitória Sport Clube – Futebol SAD”, por um preço total de 6,5 milhões de euros.
Comentários