Conselhia do PSD/Porto acusa Rui Moreira de “enganar a cidade”

O PSD do Porto acusa o movimento de Rui Moreira de tentar “enganar a cidade” e “ludibriar os portuenses” no caso Montebelo, recusando que aquela obra na Foz Velha tenha sido licenciada nos termos atuais nos mandatos de Rui Rio.

Em comunicado divulgado pela agência Lusa, a concelhia do Porto do PSD diz ser “redondamente falsa” a acusação feita pela associação “Porto, o Nosso Movimento” – do independente e atual presidente da Câmara Municipal do Porto (CMP), Rui Moreira –, de que o empreendimento embargado pelo tribunal na rua de Montebelo “foi aprovado, naquele local e com aquela volumetria”, pelo executivo de Rui Rio.

“A obra de Montebelo que para Rui Moreira e o seu movimento é totalmente legal está, felizmente para a cidade, embargada pelo tribunal. E está embargada porque a câmara de Rui Moreira, em 2016, não cumpriu a lei”, sustenta o PSD/Porto.

Segundo explica, “em 2016 o vereador do Urbanismo escolhido por Rui Moreira autorizou a alteração de uso do terreno, passando o mesmo de habitação para serviços”, sendo que “esta alteração, não acompanhada de quaisquer limitações adicionais para a volumetria anteriormente prevista, aumenta em muito o impacto da construção em causa”.

“Entre outras salvaguardas — sustenta – não foi integralmente respeitado o parecer da DRCN [Direção Regional de Cultura do Norte]”.

Afirmando-se já “habituados a uma política de comunicação da Câmara Municipal do Porto que procura confundir questões estratégicas com ‘fait divers’”, os sociais-democratas acusam o movimento de Rui Moreira de “ir ainda mais longe na demagogia e na tentativa de ludibriar os portuenses”.

“O PSD tem vindo a alertar que o aumento da pressão imobiliária deve levar a CMP a ter um papel mais interventivo enquanto regulador e que urge colocar a salvaguarda do património como grande prioridade para garantir que a cidade mantém a sua identidade e marcas distintivas, fatores absolutamente decisivos para um futuro sustentável do nosso Porto”, sustentam.

A Câmara do Porto, a concelhia local do PSD e o movimento de Rui Moreira têm desde sexta-feira trocado sucessivas acusações relativamente ao já conhecido como ‘caso Montebelo’, uma obra na zona da Foz Velha que a agência Lusa noticiou na terça-feira ter sido embargada pelo Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto (TAFP), na sequência de uma providência cautelar interposta pela Associação de Moradores e Amigos da Foz Velha (AMAFV).

A conclusão do juiz do TAFP, datada do dia 03, aponta a “máxima invalidade” ao despacho do vereador do Urbanismo de março de 2016, no qual é deferida uma alteração à operação de loteamento “sem que a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) tenha emitido parecer prévio favorável”.

Neste contexto, o TAFP determina “o embargo total da obra de construção, demolição e escavação, que está/esteve em curso” no local, pois a “continuação dos trabalhos pode constituir uma grave lesão para o interesse público e para […] o município”, uma vez que, se a ação principal reconhecer a “nulidade de atos administrativos”, levará à “obrigação de demolição e reposição do anteriormente existente” na zona classificada como de interesse público em 2013.

Em comunicado emitido na sexta-feira, a concelhia do PSD/Porto aplaudiu o embargo, exigindo que a câmara “aprenda a lição” e deixe de demolir construções tradicionais para construir grandes edifícios e repudiando o que os sociais-democratas dizem ser uma “política de cidade densa” do atual executivo.

Em resposta, nesse mesmo dia, a Câmara do Porto considerou que as críticas do PSD “demonstram um enorme desconhecimento da lei e dos procedimentos urbanísticos”, sustentando que “a aprovação de edificações e da sua dimensão não depende da vontade do atual executivo, mas do que está inscrito em PDM [Plano Diretor Municipal], PDM esse que foi elaborado e aprovado pela câmara presidida pelo PSD”.

A autarquia indicou ainda que “a visão que o atual presidente de câmara tem, e que foi sufragada com maioria absoluta nas últimas eleições autárquicas, aplicar-se-á apenas com a aprovação do próximo PDM e nada tem a ver com as construções em curso”.

Reagindo a esta posição, a concelhia do PSD/Porto acusou então a Câmara do Porto de ter escondido dos portuenses a sua “visão de cidade densa”, que diz levar a autarquia a “repetidamente optar pelos interesses imobiliários em detrimento da salvaguarda do património da cidade”.

A este argumento respondeu a associação “Porto, o Nosso Movimento”, de Rui Moreira, acusando o PSD/Porto de “ocultar” que o empreendimento na rua de Montebelo “foi aprovado, naquele local e com aquela volumetria”, pelo executivo de Rui Rio.

A associação sustentou que “a construção em causa cumpre o Plano Diretor Municipal revisto por Rui Rio e pelo PSD em 2006 e foi por si aprovada”.

Ler mais
Recomendadas

Governo anuncia que Programa Interface garante mais 33 milhões de euros de incentivo

“Vão ser assinados os contratos de financiamento, no valor de 33 milhões de euros, a entidades reconhecidas pelo Ministério da Economia, no âmbito do Programa Interface”, anunciou hoje o Governo, através de comunicado.

Tribunal diz que Conta dos Açores de 2017 está “afetada por erros e omissões”

O Tribunal de Contas (TdC) concluiu hoje que a Conta da Região Autónoma dos Açores de 2017 “está afetada por erros e omissões materialmente relevantes”, nomeadamente em áreas como receitas da administração regional ou a dívida da mesma.

Ferro Rodrigues assegura que “Parlamento não é condicionável” por “quem quer que seja”

O presidente da Assembleia da República reagiu assim às declarações da procuradora-geral da República, Lucília Gago, que sugeriu poder vir a demitir-se por causa de eventuais alterações na composição do Conselho Superior do Ministério Público.
Comentários