Conselho Europeu reforça bolsa do programa Erasmus

A confirmação foi dada esta manhã durante um discurso da Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que defendeu este aumento como “dinheiro bem gasto”.

O Conselho Europeu anunciou esta quinta-feira que vai aumentar em 55% a bolsa dos estudantes inscritos no programa Erasmus.

A confirmação foi dada esta manhã durante um discurso da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que defendeu este aumento como “dinheiro bem gasto”.

“Ao fim de 30 anos, podemos dizer com orgulho que o programa Erasmus é um dos maiores unificadores da história da nossa União”, referiu a responsável. Atualmente, esse montante varia entre os 300 e os 5oo euros mensais, dependendo do programa (estudos ou estágios) e o conjunto de países (alto, médio e baixo rendimento).

“É certo que o orçamento europeu aprovado pelo Conselho Europeu inclua um aumento de 55% para o Erasmus. É dinheiro bem gasto! Mas é um progresso igualmente importante estarmos a aumentar o âmbito do programa Erasmus”, referiu.

Segundo von der Leyen, a iniciativa, que já tem mais de 30 anos de existência, é uma grande oportunidade para o desenvolvimento de competências e uma “verdadeira instituição democrática para todos os jovens europeus”.

Ler mais
Recomendadas

Colégios privados reservam-se ao direito de darem aulas online durante pontes dos feriados

A Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo (AEEP) emitiu um comunicado a esclarecer que os colégios privados estão no seu direito de darem aulas online nos dias que antecedem os feriados, apesar da proibição das escolas abrirem fisicamente.

Estabelecimentos de ensino com 94 surtos ativos e 814 infetados por Covid-19, revela DGS

Graça Freitas alertou ainda que ao nível dos surtos, a norte pode haver subnotificação de surtos, tendo em conta que esta região continua a ser a mais assolada por infeções.

“Não constituem a resposta que se esperaria”. FNE critica medidas anunciadas pelo Governo

Federação Nacional da Educação critica a “indisponibilidade para o diálogo” e a “falta de transparência” do Ministério da Educação, que acusa de teimar em não divulgar dados concretos sobre “a real dimensão” do problema no setor.
Comentários