Conselho Europeu reforça bolsa do programa Erasmus

A confirmação foi dada esta manhã durante um discurso da Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que defendeu este aumento como “dinheiro bem gasto”.

O Conselho Europeu anunciou esta quinta-feira que vai aumentar em 55% a bolsa dos estudantes inscritos no programa Erasmus.

A confirmação foi dada esta manhã durante um discurso da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que defendeu este aumento como “dinheiro bem gasto”.

“Ao fim de 30 anos, podemos dizer com orgulho que o programa Erasmus é um dos maiores unificadores da história da nossa União”, referiu a responsável. Atualmente, esse montante varia entre os 300 e os 5oo euros mensais, dependendo do programa (estudos ou estágios) e o conjunto de países (alto, médio e baixo rendimento).

“É certo que o orçamento europeu aprovado pelo Conselho Europeu inclua um aumento de 55% para o Erasmus. É dinheiro bem gasto! Mas é um progresso igualmente importante estarmos a aumentar o âmbito do programa Erasmus”, referiu.

Segundo von der Leyen, a iniciativa, que já tem mais de 30 anos de existência, é uma grande oportunidade para o desenvolvimento de competências e uma “verdadeira instituição democrática para todos os jovens europeus”.

Ler mais
Recomendadas

Erasmus+: 26 mil milhões para apoiar mobilidade estudantil

Apresentado pela Presidência Portuguesa da União Europeia, o novo Erasmus+ quase duplica o orçamento anterior. Inclusão, digital e sustentabilidade são as novas áreas de aposta. Portugal quer triplicar o número de beneficiários do programa em 2021|27.

António Sampaio da Nóvoa: “É difícil identificar um património mais importante do que a língua portuguesa”

Comemora-se esta quarta-feira o Dia Mundial da Língua Portuguesa. António Sampaio da Nóvoa, embaixador de Portugal na UNESCO, grande impulsionador desta proclamação, destaca em entrevista ao Jornal Económico o valor único deste património.

Metade dos jovens portugueses não distingue opinião de facto na Internet, conclui estudo da OCDE

“Menos de metade dos jovens não distingue factos de opiniões. Antes, os jovens liam na enciclopédia e sabia-se que o que estava lá escrito era verdade. Agora procuram informação na internet” alertou o diretor da OCDE para a Educação, Andreas Schleider.
Comentários