Consumidores portugueses queixaram-se mais da Black Friday

Número de queixas no Portal da Queixa aumentou, este ano por causa das tentativas de enganar os consumidores.

No rescaldo da semana Black Friday 2018, o Portal da Queixa, rede social de consumidores que lançou uma plataforma online específica para a data, verificou que, face a 2017, os consumidores estiveram mais conscientes acerca do que representam as oportunidades daquela iniciativa.

Face a 2017, o número de reclamações aumentou, tendo registado mais de 70 queixas (62 no ano passado), diz aquela organização em comunicado oficial. Porém, se em 2017 a dificuldade de contacto e apoio das marcas era o principal motivo de reclamação dos consumidores, este ano no topo da tabela estão motivos como: o aumento do preço antes da promoção por forma a aplicar o desconto; a falta de stock no momento da compra; dificuldades de efetuar a compra com a promoção anunciada e atrasos de entrega.

Este ano verificou-se uma natural tendência no aumento de campanhas das marcas patra o Black Friday e por isso verificou-se igualmente um exponencial aumento na procura relativamente à oferta. Por consequência, o Portal registou uma subida das reclamações relativas ao Black Friday em Portugal, explica Sónia Lage Lourenço, COO e Co-founder do Portal da Queixa, sublinhando que “este ano, as queixas referentes à falta de capacidade de contacto com a marca foram quase nulas, dando lugar a reclamações por variação dos preços”.

Entre as marcas com o maior número de reclamações registadas no Portal da Queixa, as mais visadas são no setor da tecnologia: FNAC, Worten, Media Markt, Rádio Popular e El Corte Inglés (facto que resulta da elevada procura destes produtos em iniciativas como estas, diz o Portal). Contudo, o setor do comércio a retalho de vestuário e alimentação também foram um grande alvo de reclamações.

Segundo revela aquela responsável, muitos consumidores relataram que alguns dos melhores descontos apresentados constituíram apenas um chamariz, na medida em que na hora de os adquirir não estavam disponíveis por falta de stock.

Quanto à plataforma www.blackfriday2018.pt, que esteve online para a Cyber Monday, o balanço do Portal da Queixa é positivo. Considerando que a mensagem de confiança e transparência foi adotada por grande parte das marcas aderentes, Sónia Lage Lourenço realça que “este ano, verificámos que os consumidores já estão mais conscientes acerca do que representam as oportunidades na Black Friday, face a 2017, que foi o primeiro ano de grande impacto e as dúvidas eram muitas”.

Contudo, devido a más práticas de algumas marcas, nos anos anteriores, os consumidores procuraram este ano confiança e transparência, para que as suas compras fossem efetuadas com segurança e que representassem uma real vantagem de desconto. Por essa razão, as 247 marcas que quiseram estar presentes na plataforma demonstraram essa disponibilidade para o contacto imediato, “por forma a garantirem uma maior proximidade e confiança na hora de comprar.

Ler mais
Recomendadas

Preços de venda e real valor das casas estão desajustados

A aquisição de casa própria é, normalmente, o maior investimento efetuado por uma família e geralmente o preço que pagam não é adequado ao valor real do imóvel. Uma correta avaliação do imóvel a adquirir é fundamental para decidir a compra de casa.

Apenas duas escolas públicas no top 30. Veja aqui o ranking 2018

O ranking de 2018 das notas dos exames é dominado pelas escolas privadas e liderado pelo Colégio Nossa Senhora do Rosário, no Porto. As duas escolas públicas melhor classificadas são a Clara de Resende no Porto e a Infanta D. Maria de Coimbra.

Respostas Rápidas: É cliente da Caixa Geral de Depósitos? Saiba o que muda a partir de maio de 2019

Em 2019, os clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD) vão sentir alterações nas comissões. A partir do dia 1 de maio, o banco público vai alterar as comissões em quatro produtos ou serviços que disponibiliza aos seus clientes.
Comentários