Consumidores querem telemóveis flexíveis e “gémeos digitais”

A consultora IDC refere que se venderam quase 63 milhões de smart speakers a nível mundial, entre janeiro e setembro de 2018, mais 224% em termos homólogos.

Visitors use their mobile phones during the Mobile World Congress in Barcelona, Spain February 28, 2018. REUTERS/Yves Herman

Os aparelhos eletrónicos mais ansiados pelos chamados early adopters (que compram produtos e tecnologias antes de se tornarem massificados) têm essencialmente duas características: são desdobráveis e falam. Sejam televisores, telemóveis ou outros gadgets, os fãs do digital querem ‘internet nas coisas’ e portanto prevê-se uma evolução nos assistentes virtuais como Alexa, Siri ou Bixby, que agora são agendas mas podem fazer o papel de amigos, sósias e ter até smart quarrels (discussões inteligentes) por nós.

“Mais de 60% dos utilizadores de assistentes virtuais acreditam que os dispositivos digitais inteligentes serão capazes de perceber as nossas mudanças de humor, disposição física e agir proativamente em conformidade, oferecendo uma solução ou ajuda, e 66% acreditam que os altifalantes inteligentes argumentarão e alimentarão discussões, como membros da família dentro de três anos”, afirma ao Jornal Económico Paulo Barreira, gestor de vendas da TP-Link Portugal.

O especialista da fabricante chinesa realça também a importância do digital twin (“gémeo digital”) para quase metade dos 30 milhões de consumidores inquiridos, entre os 15 e 69 anos de idade, que querem autênticos avatares que “os simulem perfeitamente, para que possam estar em mais de um lugar ao mesmo tempo”. Ou seja, estes aparelhos movidos a Internet sem fios ou Bluetooth devem conseguir subscrever de forma automatizada serviços e produtos e reabastecer as despensas dos seus donos. A adesão a estes dispositivos por comando de voz é confirmada pelos dados da consultora tecnológica IDC: venderam-se quase 63 milhões de smart speakers no mundo entre janeiro e setembro de 2018, mais 224% do que no período homólogo. A expectativa desta empresa é de que continue a crescer, porém, como em qualquer outra tecnologia de vanguarda, terá obstáculos iniciais, entre os quais “preço – que só irá descer quando subirem as vendas – ou o desconhecimento do benefício”, diz Francisco Jerónimo, diretor de investigação da IDC EMEA.

Quanto ao mundo mobile, além do tão aguardado 5G, Francisco Jerónimo explica que a grande novidade em 2019 serão os telefones com ecrãs maiores e desdobáveis. “A ideia é permitir que tenhamos um telemóvel que se transforme num tablet. Apesar de não ser 100% flexível vai permitir abrir o ecrã e torná-lo maior. Espera-se também que haja cada vez mais ecrãs sem qualquer botão, até com a fingerprint incluída no ecrã, por exemplo”, afirma. No entanto, alerta que smartphones com 7 polegadas são pouco vendidos, por não serem “ergonomicamente fáceis de usar”.

Mesmo no conforto do seu lar os consumidores não dispensarão a conectividade em apps ou óculos que os orientem na rotina diária, os ensinem a cozinhar ou a reparar uma torneira. Segundo o estudo de mercado da IDC, tanto as vendas de smart lights, como as de smart TVs ou de sistemas de monitorização/segurança da casa aumentaram nos primeiros nove meses do ano passado, para 23 milhões, 115,2 milhões e 67,5 milhões de unidades, respetivamente. Já a TP-Link, só em aparelhos inteligentes para a casa, fez nove milhões de entregas. Na categoria smarthome, os lançamentos mais esperados estão relacionados com a IoT. Entre os exemplos apresentados por Paulo Barreira para as ‘casas tech’ está a evolução da gama de routers sem fios Deco [Whole Home WiFi System], a introdução de novas câmaras “IP Cams In Door” (KASA Smart) e “Video Door Bell”, bem como controladores “power strip, light switch, sensors e dimmer”.

Recomendadas

PremiumSociedades anónimas têm quatro dias para identificar acionistas

Incumprimento pode determinar exoneração da qualidade de acionista. Advogados apontam contradições com proteção de dados

Centeno diz que 72% dos precários tiveram ‘luz verde’ para ingressar no Estado

O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse esta sexta-feira no parlamento que 72% dos trabalhadores que recorreram ao programa de regularização extraordinária dos vínculos precários do Estado (PREVPAP) tiveram parecer favorável, recusando que haja atrasos no processo.

PremiumCalçado português negoceia com Amazon canais para acelerar exportações

Acordo com o gigante Amazon permitiria ao setor do calçado aumentar canais de venda nos mercados de exportação. Agência Aicep está atenta aos contactos entre a APICCAPS e a Amazon.
Comentários