Consumo: Falta de inovação no setor condicionou receitas de 2 mil milhões de euros

Se a referida tendência de Espanha tivesse ocorrido em Portugal, estima-se que poderia ter havido um aumento adicional de receitas para o setor na ordem dos dois mil milhões de euros.

A inovação mais relevante introduzida no setor do Grande Consumo em Portugal poderia ter gerado, entre 2013 e 2016, um PIB adicional na economia portuguesa de mil milhões de euros, a que corresponderia uma receita fiscal adicional de 350 milhões de euros, caso o grau de inovação tivesse sido equivalente ao verificado em Espanha.

Esta é uma das principais conclusões do é uma das principais conclusões do estudo sobre o impacto económico da inovação neste setor, elaborado pela consultora KPMG e realizado pela Kantar Worldpanel para a Centromarca – Associação Portuguesa de Empresas de Produto de Marca, apresentado esta sexta-feira, na conferência “Há Crescimento de Mercado sem Inovação?”, promovida pela Centromarcaa e que conta com as intervenções do Comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, e da secretária e Estado da Indústria, Ana Teresa Lehmann.

Nesta análise, é ainda estimado que, se a referida tendência de Espanha tivesse ocorrido em Portugal, poderia ter havido um aumento adicional de receitas para o setor na ordem dos dois mil milhões de euros e um potencial gerador de emprego associado à inovação de cerca de 26.600 postos de trabalho.

Apesar do impacto positivo gerado, particularmente em algumas categorias de produto, a inovação não é ainda um driver de procura global do setor, em Portugal, de forma distinta do que acontece em Espanha onde, em média, a introdução de uma inovação gera um aumento da procura de aproximadamente 1,4%.

No caso português, o estudo indica que 76% das inovações aplicadas no Grande Consumo falham logo no ano de lançamento. Por outro lado, essa aposta na inovação apresenta elevados riscos, pois exige das marcas do setor um investimento de 4% das suas receitas em novos produtos e o envolvimento de 6% dos seus colaboradores neste tipo de processo.

Por sua vez, nas categorias de produtos em que a aposta é maior, o efeito da inovação é mais significativo, situando-se nos 2%. Os iogurtes (7), seguidos dos produtos de cabelo (5) e dos refrigerantes sem gás (3) são os produtos que apresentam o maior número de inovações relevantes.

Ao analisar estes resultados, Nuno Fernandes Thomaz, Presidente da Centromarca, sublinha o impacto que a inovação tem tido no Grande Consumo e consequentemente na economia nacional, apesar de considerar que esta não tem ocorrido em grau suficiente nem demonstrado capacidade de gerar uma influência decisiva no desempenho dos produtos.

Em seu entender, “um mercado dinâmico e positivo precisa de inovação contínua, que seja suficientemente disruptiva e capaz de adicionar valor. Há um alargado consenso sobre como a inovação é um fator muito positivo para quem a promove, para os vários elos da cadeia e para o mercado como um todo. Na verdade, acreditamos que um crescimento sustentado do mercado deve assentar numa inovação forte e duradoura, com o objetivo de proporcionar mais escolhas para os consumidores, maior qualidade dos produtos e mais competitividade no mercado”.

 

Ler mais
Recomendadas

CTT respondem à Anacom rejeitando que tenham prestado “informação enganosa” sobre a evolução das reclamações

Os CTT e a Anacom estão em guerra de comunicados. Em resposta à resposta da Anacom, os CTT divulgaram hoje um comunicado onde reafirmam que a variação do total de reclamações e pedidos de informação tal como referido no comunicado do passado dia 13, caíram 7%, correspondendo a um aumento de 9% das reclamações em sentido estrito. “As solicitações dos clientes dos CTT compreendem pedidos de informação e reclamações em sentido estrito”, diz a empresa.

Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

O regulador acusa a empresa de ter divulgado informação enganosa ao ter dito que as queixas baixaram 7%.

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.
Comentários