Contrato-Emprego quer criar 15 mil postos de trabalho com 60 milhões de euros

Programa Nacional de Reformas é uma nova medida de apoio ao emprego Contrato-Emprego. Estão previstos concursos para apoio à criação de 15 mil postos de trabalho este ano, com uma dotação de 60 milhões de euros.

O objetivo é abranger 600 mil desempregados de longa duração com as políticas ativas de emprego em curso.

“Sublinhe-se que este conjunto de medidas associa-se a um conjunto de metas para o horizonte 2020, designadamente as que se associam, por um lado, à garantia de que 75% dos apoios à contratação são direcionados para contratos sem termo e de que 70% dos abrangidos por políticas ativas do mercado de trabalho são desempregados de longa duração”, diz o Programa Nacional de Reformas (PNR), a que a agência Lusa teve acesso.

O Governo quer concretizar este ano e nos próximos um conjunto de intervenções no plano da regulação laboral “para reduzir os níveis de segmentação e melhorar o combate à precariedade, questões que considera prioritárias para fomentar o emprego e a competitividade”, a par da reorientação das políticas ativas de emprego.

Já foi reforçada a capacidade inspetiva da Autoridade para as Condições do Trabalho, com a entrada de 80 inspetores do trabalho.

 

Recomendadas

Um ministro das Finanças e um orçamento comum, as receitas de Blanchard para a Zona Euro

O antigo economista-chefe do FMI traçou o caminho para uma política monetária e orçamental mais coordenada para a zona euro. Além da criação de um posto de ministro das Finanças, Olivier Blanchard disse que é essencial agilizar as políticas sobre o défice e sugeriu um orçamento comunitário comum.

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

“A economia está a arrefecer”, alerta banco central da Alemanha 

O Bundesbank, banco central alemão, considerou esta segunda-feira que a economia da Alemanha está a abrandar após um período de grande prosperidade, mas espera uma estabilização no segundo semestre do ano.
Comentários