Cooperação China e Países de Língua Portuguesa: uma aposta ganha

O comércio bilateral cresce de forma constante e o investimento da China em Portugal continua a expandir-se, alargando as áreas de cooperação. As relações sino-portuguesas estão no seu melhor período da História.

Em 2017, as trocas comerciais entre a China e os países Lusófonos fixaram-se em 117.588 milhões de dólares (cerca de 96 mil milhões de euros), verificando-se um crescimento de 29,4%, face a 2016. Mas um dos passos mais importantes foi dado em outubro de 2003.  A iniciativa, que foi do Governo Central da China, teve o seu pontapé de saída com a criação do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (PLP).

Também conhecido como Fórum Macau, é um mecanismo multilateral de cooperação intergovernamental, sem caráter político, centrado no desenvolvimento económico e comercial. Os seus objetivos passam por consolidar o intercâmbio económico e comercial entre a China e os PLP; dinamizar o papel de Macau enquanto plataforma de cooperação entre a China e os PLP; bem como fomentar o desenvolvimento mútuo entre o Interior da China, os PLP e a Região Administrativa Especial de Macau (RAEM).

O Fórum de Macau organiza uma Conferência Ministerial a cada três anos, e tem aprovado “Planos de Ação para a Cooperação Económica e Comercial”, que definem e planificam a cooperação nos âmbitos económico e comercial entre a China e os PLP. Para executar e concretizar todas as intenções e decisões emanadas das Conferências Ministeriais, foi criado oficialmente, em Macau, no ano de 2004, o Secretariado Permanente do Fórum de Macau, que tem desenvolvido os seus trabalhos nas vertentes da promoção do comércio e de investimento, da cooperação dos recursos humanos e do intercâmbio cultural sino-lusófono.

Na 5.ª Conferência Ministerial do Fórum de Macau, o primeiro-ministro chinês Li Keqiang anunciou 18 novas medidas para a promoção da cooperação económica e comercial entre a China e os PLP em cinco áreas de destaque: cooperação da capacidade produtiva, cooperação para o desenvolvimento, cooperação humana e cultural, cooperação no domínio do mar e papel de Macau como plataforma. Para além do “Memorando de Entendimento sobre a Promoção da Cooperação da Capacidade Produtiva”, foi assinado na 5ª Conferência o “Plano de Ação para a Cooperação Económica e Comercial (2017-2019)” que tem como principal referência a iniciativa “Uma faixa, uma rota”, visando alargar as áreas e aumentar o nível de cooperação entre as partes.

Nos últimos 15 anos, temos verificado os resultados obtidos nessas Conferências Ministeriais, e que são reconhecidos pelos PLP. Os participantes consideram que o Fórum de Macau abre portas de cooperação e estão empenhados em elevar o nível para um novo patamar e continuar a aprofundar as relações económicas multilaterais.

E Portugal? Portugal, mais uma vez, tem a particularidade de partilhar a língua portuguesa com todos os países participantes, sendo esta uma mais-valia que facilita a promoção de uma rede de contactos e relacionamentos entre a China e os PLP. O cruzamento de interesses empresariais, fruto de uma herança histórica que se traduz nas afinidades linguísticas, culturais e jurídicas, e de um renovado relacionamento com os PLP, fazem de Portugal um elo natural entre a China e os restantes países lusófonos.

Não temos dúvidas de que, atualmente, as relações sino-portuguesas estão no seu melhor período da História. Sejam económicas, comerciais ou bilaterais: estão maduras e estáveis. O comércio bilateral cresce de forma constante e o investimento da China em Portugal continua a expandir-se, alargando as áreas de cooperação. A cooperação tem tido sucessos notáveis, e é uma aposta ganha. No entanto, como todas as relações, necessita de ser preservada.

Recomendadas
Sérvulo com nova sócia
Mafalda Ferreira Santos, ex-sócia da Cuatrecasas, junta-se à equipa de Contencioso Cível, Comercial e Arbitragem do escritório liderado por Paulo Câmara.
Linklaters e Garrigues partilham venda de ativos do Novo Banco
Consultora Alantra assessora processos de venda de ativos do Novo Banco, no valor global de 1,8 mil milhões de euros.
Andersen Global reúne-se pela primeira vez em Portugal para anunciar novo ‘board’
O advogado e ex-ministro português Luís Nobre Guedes é um dos 14 membros do Conselho Regional Europeu, anunciou esta sexta-feira a organização assessores financeiros e legais.
Comentários