Coreia do Norte só avança para cimeira com EUA se não for “unilateral”

O encontro marcado entre as Coreias foi cancelado esta manhã pela Coreia do Norte, que justificou a decisão com as manobras militares conjuntas de Seul e Washington.

Ler mais

A Coreia do Norte afirmou hoje não estar interessada numa cimeira com os Estados Unidos, caso esta se reduza à “exigência unilateral” do desarmamento nuclear, horas depois de ter cancelado uma reunião com a vizinha do Sul.

O encontro marcado entre as Coreias foi cancelado esta manhã pela Coreia do Norte, que justificou a decisão com as manobras militares conjuntas de Seul e Washington.

Entretanto, o Ministério da Defesa sul-coreano garantiu que os exercícios militares vão continuar apesar da “reação irada” do Norte, uma vez que se destinam a melhorar as habilidades dos pilotos e “não são exercícios de ataque”.

A irritação norte-coreana ameaça agora pôr em causa a histórica cimeira entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, marcada para 12 junho em Singapura.

Em declarações oficiais, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros norte-coreano afirmou que a Coreia não tem qualquer interesse numa cimeira de “negociações unilaterais”.

Kim Kye-gwan criticou os recentes comentários do conselheiro da Segurança Nacional de Trump, John Bolton, e de outras autoridades norte-americanas, sobre como o Norte devia seguir o “modelo líbio” de desarmamento nuclear e fornecer um “desmantelamento completo, verificável e irreversível”.

O responsável também criticou outros comentários dos EUA, relativos ao abandono não apenas das armas nucleares e mísseis, mas também das armas biológicas e químicas.

“Não estamos interessados numa negociação que se reduza a levar-nos para uma esquina com a exigência unilateral de desistirmos das nossas armas nucleares, o que nos força a reconsiderar se avançamos mesmo com a cimeira entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos”, concluiu.

Kim Jong-un chegou ao poder semanas após a morte do ex-líder líbio Muammar Khadafi, pelas forças rebeldes aquando de uma revolta popular em outubro de 2011. Pyongyang usa frequentemente a morte de Khadafi como argumento para justificar o desenvolvimento nuclear diante das ameaças dos Estados Unidos.

Relacionadas

Coreia do Sul critica decisão de Pyongyang de cancelar reunião e exige regresso às negociações

A Coreia do Sul afirmou hoje ser lamentável a decisão da Coreia do Norte de cancelar uma reunião bilateral, devido às manobras militares conjuntas com os Estados Unidos, e exigiu um rápido regresso às negociações.

Coreia do Norte ameaça anular cimeira de Kim Jong-un com Donald Trump

A Coreia do Norte ameaçou hoje anular a cimeira prevista para 12 de junho, em Singapura, entre o seu líder, Kim Jong-un, e o Presidente norte-americano, Donald Trump, devido aos exercícios militares conjuntos dos EUA e Coreia do Sul.
Recomendadas

Húngaros e polacos entre os europeus menos favoráveis ao resgate de refugiados

O estudo realizado pelo centro norte-americano, Pew Research Center, revela que 80% dos europeus apoia o resgate aos refugiados. A Hungria e a Polónia ocupam o fim da lista.

Rio de Janeiro multa bares e restaurantes que oferecem palhinhas de plástico

As autoridades do Rio de Janeiro começaram hoje a multar os cafés, restaurantes e bares de praia da emblemática cidade brasileira que oferecem palhinhas de plástico aos clientes. ”Estamos na vanguarda de uma grande luta em defesa do meio ambiente”.

Síria: governo e oposição apoiam o acordo entre a Rússia e a Turquia

Damasco diz que o pacto testará a influência de Ankara em Idlib, enquanto os líderes da oposição a al-Assad no exílio celebram uma vitória contra o ditador.
Comentários