Cork_Empreende pretende criar 20 novas empresas do setor da cortiça

Este projeto tem como principais destinatários os empreendedores com novas ideias de negócio e as novas PME (constituídas há menos de 2 anos) com capacidade de corporizar novos modelos de negócio.

A Associação Portuguesa da Cortiça (APCOR) lança amanhã no Porto o Cork_Empreende que aposta no espírito empresarial,”apoiando ideias de negócio inovadoras” e com o objetivo de criar cerca de 20 novas empresas e vários postos de trabalho por todo o território nacional.

Os dois grandes objetivos deste projeto são desenvolver uma nova estratégia de promoção do empreendedorismo, baseada em modelos de negócio orientados para processos tecnológicos e estimular novas inciativas empresariais orientadas para a internacionalização. Este projeto tem como principais destinatários os empreendedores com novas ideias de negócio e as novas PME (constituídas há menos de 2 anos) com capacidade de corporizar novos modelos de negócio.

“Durante o projeto será feito o mapeamento de novas oportunidades de empreendedorismo na fileira da cortiça bem como, das necessidades de capacitação para um amplo programa empreendedor que assente em 3 eixos de sustentabilidade: competitividade, meio ambiente e responsabilidade social”, refere João Rui Ferreira – Presidente da APCOR.

Estão ainda previstas várias atividades como workshops, um roadshow, um seminário e várias ações de coaching e mentoring, “mas é a realização do concurso de ideias que merece maior destaque pois serão atribuídos 30 mil euros para as 6 ideias mais inovadoras e diferenciadoras”, diz a APCOR.

Recomendadas

Portugueses da Indico investem em empresa alemã de trotinetes

O primeiro fundo privado de investimento em capital de risco português investiu 3,25 milhões na TIER, principal empresa europeia de micro mobilidade.

PremiumCimeira de investidores voltou a Lisboa mas startups querem Silicon Valley

Nuno Fonseca, CEO da Sound Particles, criou a empresa em Leiria, mas, neste momento, 60% dos clientes são da Califórnia. O empresário português considera que as startups devem abrir horizontes e olhar para o “mercado global”.

Câmara de Lisboa pede desculpa por ainda não ter revelado contrato com Web Summit

O contrato com a Web Summit só vai ser revelado depois da autarquia e a organizada da conferência chegarem a acordo sobre as cláusulas a serem expurgadas.
Comentários