Costa: “A banca assumiu a sua responsabilidade social ao disponibilizar linhas de crédito para empresas afetadas por incêndios”

Ao final da tarde desta terça-feira foi assinado um protocolo para a disponibilização de uma linha de crédito de apoio à tesouraria e ao fundo maneio das empresas afetadas pelos incêndios de 15 de outubro, no valor global de 100 milhões de euros.

Cristina Bernardo
Ler mais

“A banca assumiu a sua responsabilidade social, não só com a linha de crédito, mas também com as condições que tem vindo a negociar com os seus clientes para a manutenção das suas atividades”, disse António Costa nesta terça-feira citado pela Lusa.

O primeiro-ministro considerou que a banca assumiu a sua responsabilidade social, ao ter disponibilizado uma linha de crédito de apoio às empresas afetadas pelos incêndios de 15 de outubro, no valor de 100 milhões de euros.

Ao final da tarde desta terça-feira foi assinado um protocolo para a disponibilização de uma linha de crédito de apoio à tesouraria e ao fundo maneio das empresas afetadas pelos incêndios de 15 de outubro, no valor global de 100 milhões de euros.

De acordo com o presidente da comissão executiva da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, esta linha de crédito, que visa relançar a atividade das empresas, estará disponível durante seis meses, podendo ser extensível por mais seis meses.

“O montante máximo por empresa é de 750 mil euros, por prazos de quatro anos, incluindo dois anos de carência. Para além desta linha, a CGD, e como estou convencido outras instituições de crédito, estarão disponíveis para moratórias claramente para os seus clientes, relativamente aos empréstimos que já estão em curso”, referiu.

Ao longo da sua intervenção, Paulo Macedo destacou que os bancos estão comprometidos com a sociedade, empresas e empresários, não só porque é o seu dever, mas também porque é o seu propósito.

“As instituições de crédito comprometem-se a utilizar as capacidades dos seus profissionais para que esta linha tenha o maior alcance possível e possa chegar, efetivamente, a quem dela precisa”, concluiu.

Recomendadas
BCE confirma Luís Ribeiro como administrador do Novo Banco
Este é o administrador com a área comercial de retalho que já estava em funções na Comissão Executiva liderada por António Ramalho, e cuja avaliação estava em curso no BCE. O Novo Banco vai ainda ter um novo CFO, o irlandês Mark Bourke, e Jorge Cardoso fica com a área de banca de investimento.
Elisa Ferreira defende procedimentos especiais para insolvências de bancos de média dimensão
Como a resolução de um banco médio, mas com relevância sistémica a nível local, tem um impacto social e económico considerável “precisamos de discutir alternativas para os bancos médios e pequenos que saem do mercado, em vez de avançar em direção a uma nova camisa de forças” global, defendeu a vice-governadora do Banco de Portugal em Basel, Suíça.
Haitong com prejuízos de 2 milhões no semestre. Resultado operacional é positivo
“O dinamismo positivo das receitas beneficiou do recente processo de reestruturação e reposicionamento do Banco, o qual tem vindo a assumir-se como a unidade de Corporate and Investment Banking do Grupo Haitong”, justifica o banco de investimento.
Comentários