Costa: “A ideia de que sem Europa ficamos mais seguros e autónomos é um erro básico”

O primeiro-ministro defende que o sentimento de integração é cada vez maior e os portugueses se sentem cada vez menos “tuteladas” pela Europa e mais parte do projeto de interesse comum.

Reuters

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quinta-feira que a União Europeia é “uma mais-valia” para os países europeus, em áreas como a segurança, economia e inovação. António Costa defende que o sentimento de integração é cada vez maior e os portugueses se sentem cada vez menos “tuteladas” pela Europa e mais parte do projeto de interesse comum.

“A Europa é em todas as circunstâncias, uma mais-valia. A ideia de que sem Europa ficamos mais seguros, mais autónomos e mais senhores do nosso destino é um erro básico”, afirmou António Costa, no debate “Que futuro para a Europa?”, no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), com o comissário europeu para os assuntos económicos e financeiros, Pierre Moscovici.

O primeiro-ministro acredita que as principais preocupações dos cidadãos europeus em relação à Europa é se esta consegue dar efetivamente resposta aos seus problemas. “As razões pelas quais há populismo são que as pessoas sentem que não há resposta para os seus problemas e o facto de pensarem que a Europa eliminou a essência e a alternaltiva política que permita as cidadãos escolher qual a melhor resposta para os problemas que têm”, considerou.

“Nenhum estado está em melhores condições de resolver qualquer problema sem a Europa”, defendeu o líder português, sublinhando a importância do projeto europeu. “Não regulamos melhor a globalização, sem uma política comercial comum. Não fazer a transição para a sociedade digital, sem um investimento comum na inovação. Não gerimos melhor os fluxos migratórios, cada um por si. Não combatemos melhor o terrorismo, sem uma maior cooperação entre as forças policiais. Nem respondemos melhor às ameaças externas, sem um projeto de defesa comum”, exemplificou.

O líder português defendeu ainda que, apesar de termos regras comuns, “podemos ter liberdade de escolha e soberania democrática nas nossas escolhas”. “É um pouco como uma família. Nas famílias também temos regras comuns, mas apesar de tudo cada tem a sua liberdade”.

 

Ler mais
Recomendadas

Oficial: Preocupações com a fronteira da Irlanda obrigam May a adiar votação do Brexit

A líder do Partido Conservador considera que se a votação dos termos de saída do Reino Unido da União Europeia no Parlamento fosse esta terça-feira, conforme previsto, o acordo do Brexit seria chumbado.

Brexit: May cancela votação-chave no Parlamento para evitar derrota massiva

A informação está a ser avançada por fonte do Governo britânico, que indica que a líder do Partido Conservador está a tentar ganhar tempo para impedir o chumbo do “rascunho do acordo” do Brexit.

Possibilidade de um Brexit sem acordo afeta riscos de insolvência

A Crédito y Caución calcula que o crescimento das insolvências no Reino Unido seja 14% mais elevado no caso de um Brexit sem acordo. Diz que ameaça para os serviços é ainda maior. E que em Portugal, o turismo pode enfrentar um “duro” impacto de um Brexit não negociado.
Comentários