Costa diz que OE2021 só chumba se PCP e BE “somarem os seus votos à direita”

“Com toda a franqueza, eu devo dizer que não percebo como é que um partido à esquerda recusa na generalidade este orçamento”, disse o primeiro-ministro este sábado, em declarações transmitidas na conta de Facebook do PS.

“Os avanços alcançados desmentem aqueles que estão sempre a queixar-se de que tudo está mal, como se não tivessem qualquer responsabilidade por aquilo que antes fizeram.”

O Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) “só chumba se o BE e o PCP somarem os seus votos à direita”, alertou o primeiro-ministro, António Costa, este sábado. Num “encontro digital” organizado pelo PS sobre o OE2021, no Facebook, o líder do Governo afirmou não compreender “como é que um partido à esquerda recusa” este orçamento.

“Este orçamento só chumba se o BE e o PCP somarem os seus votos à direita. Basta eles não se juntarem à direita e o orçamento passa”, disse António Costa na conversa com a antiga jornalista Maria Elisa Domingues.

Sobre o futuro do OE2021, o primeiro-ministro admitiu intranquilidade perante o “grau de indefinição” que o documento que vai orientar as medidas económicas e financeiras, bem como as políticas públicas, para 2021 está a gerar.

Uma indefinição que o governante considerou não ser “saudável para o país”. Contudo, Costa disse estar de “consciência tranquila” com aquilo que o Governo propõe, considerando que a proposta de lei do OE2021 “já traduz muito do trabalho desenvolvido na negociação” com BE, PCP, ‘Os Verdes’ e PAN.

Questionado sobre o ponto das negociações com os partidos de esquerda, o inquilino de São Bento disse compreender que “esses partidos desejem ainda algumas melhorias”, assegurando que vai continuar a negociar com todos “até à votação final global”.

“Agora, com toda a franqueza, eu devo dizer que não percebo como é que um partido à esquerda recusa na generalidade este orçamento”, concluiu.

Segundo a Lusa, o primeiro-ministro vai reunir com BE, PCP e PAN na terça-feira, dia 20 de outubro, para procurar um acordo para a viabilização do OE2021.

A Assembleia da República começa a apreciar o OE2021 no dia 23 de outubro, sendo que a votação na generalidade decorre no dia 28.

O Parlamento começa a apreciar o documento na especialidade no dia 29 deste mês, com votação final global marcada para o dia 26 de novembro.

Ler mais
Relacionadas

OE2021: Costa reúne-se na terça-feira com o Bloco de Esquerda, PCP e PAN

O primeiro-ministro reúne-se na terça-feira com o Bloco de Esquerda, PCP e PAN para procurar um acordo para a viabilização da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2021, disse à agência Lusa fonte do executivo.
catarina_martins_oe_2020

OE2021: Catarina Martins diz que viabilização pelo BE está do lado do Governo

A coordenadora do Bloco de Esquerda avisou hoje que a viabilização pelo partido do Orçamento do Estado na generalidade está do lado do Governo, registando a marcação de negociações após declarações “destemperadas” do PS.

PremiumOE2021: PSD aguarda sentido de voto à esquerda para se decidir entre abstenção e voto contra

Social-democratas ponderam viabilizar o OE2021 caso não haja acordo à esquerda. Se houver, voto será contra. PSD vai aguardar pelos bloquistas e comunistas para se posicionar no xadrez político.
Recomendadas

Anthony Fauci critica reação dos EUA à pandemia e politização das máscaras

“Na verdade, as pessoas são ridicularizadas por usarem máscara. Depende do lado particular do espetro político em que se encontram, o que é muito doloroso para mim como médico, cientista e funcionário da saúde pública”, frisou Fauci.

Novas restrições serão circunscritas a territórios

Questionado se o Governo optará por ações localizadas ou se admite restrições nacionais como um novo confinamento geral, Lacerda Sales disse que “todos os países da Europa estão neste momento a tentar estabilizar num determinado modelo que pode comportar muitas variáveis”.

Facebook reconhece erros na proibição de anúncios políticos

“Estamos a investigar anúncios que foram erroneamente suspensos, e perguntas de anunciantes que estão a ter dificuldades em ajustar as suas campanhas. Estamos a trabalhar para resolver estes problemas rapidamente”, escreveu terça-feira, no Twitter, um gestor de produtos publicitários do Facebook, Rob Leathern.
Comentários