Costa: Governo devolveu “confiança às pessoas e aos agentes económicos”

O secretário-geral do PS, lembrou em Berlim, que quando chegou ao Governo, com uma solução apoiada pela esquerda, muitos disseram que isso iria levar à irresponsabilidade orçamental. “O que fizemos foi apresentar uma alternativa à austeridade, reforçou o socialista.

Reuters

O secretário-geral do PS, António Costa, afirmou, em Berlim, que o Governo “devolveu confiança às pessoas e aos agentes económicos”, referindo ainda que o executivo, apoiado pelas conseguiu apresentar “uma alternativa” às austeridade.

António Costa participou num debate promovido pelo Partido Social Democrata Alemão (SPD), e relembrou os acordos com PCP, BE e PEV, que formaram uma solução política inédita.

“Há três anos, quando chegámos ao governo com o compromisso de virar a página da austeridade, muitos disseram que isso nos conduziria à irresponsabilidade orçamental. O que fizemos foi apresentar uma alternativa à austeridade, que devolveu a confiança às pessoas e aos agentes económicos”, realçou o secretário-geral do PS numa sala completamente cheia.

“O crescimento aumentou – em 2017 tivemos o maior crescimento do PIB deste século – 2,8% – e pela primeira vez desde a adesão ao Euro voltámos a convergir com a União Europeia. O investimento privado aumentou 9%, as exportações aumentaram 8%, o desemprego baixou para 6,8% e reduzimos o défice de 3,1% (2015) para 0,7%, o valor mais baixo da história da nossa democracia. E é esse o caminho que vamos seguir, com saldos primários positivos que nos têm permitido reduzir o elevado endividamento que herdámos”, enfatizou António Costa, num discurso proferido em inglês, mas com algumas palavras em alemão.

Nesta iniciativa de dois dias, levada a cabo pelo SPD, António Costa salientou ainda que o governo provou que “esta combinação virtuosa entre crescimento económico e criação de emprego é essencial” para a obtenção de “contas públicas saudáveis”.

“Metade do défice foi reduzido graças à redução do que pagávamos em subsídios de desemprego e ao aumento das contribuições para a Segurança Social dos novos empregados”, justificou António Costa.

“É graças à redução do défice e da dívida que temos conseguido reduzir o diferencial de financiamento que permite às empresas portuguesas investir, aumentar a sua competitividade, tornando-se mais inovadoras e criando mais e melhores empregos”, salientou o secretário-geral do PS.

António Costa aproveitou a oportunidade para agradecer a confiança das empresas alemãs que investem em Portugal.

“A Alemanha é o maior investidor industrial em Portugal. Só nesta última semana duas grandes empresas alemãs, a Siemens e a Volkswagen, anunciaram novos investimentos em Portugal e para emprego altamente qualificado, nas áreas da digitalização e do desenvolvimento de software”, adiantou o líder do Partido Socialista.

“Mas, o mais importante”, prosseguiu António Costa, foi devolver aos cidadãos “a confiança nas instituições democráticas e a sua crença na União Europeia”.

“O nível de satisfação dos Portugueses com as instituições democráticas aumentou de 15%, há cinco anos, para 70% atualmente.”

O que significa que a melhor forma de combater o populismo é garantir que há sempre uma alternativa democrática, que apresente resultados”, rematou o secretário-geral socialista.

Ler mais
Relacionadas

António Costa: Web Summit é montra mundial para ‘startups’ nacionais e banco de ideias para o Estado

No final de uma visita de cerca de duas horas, o primeiro-ministro dialogou com jovens empreendedores de vários pontos do país.

Governo responde a Bruxelas: “Vale a pena comparar previsões com resultados”

O primeiro-ministro utilizou a rede social Twitter comparando as previsões de Bruxelas, com os resultados do Governo português.
Recomendadas

Manuel Pizarro: “A gestão privada dos hospitais já provou que funciona, deve continuar e até pode ser alargada”

Ex-secretário de Estado da Saúde considera que a Lei de Bases da Saúde “responde às necessidades”, mas “espera que venha a ser melhorada” no debate no Parlamento. Em entrevista à Antena 1 e “Jornal de Negócios”, Pizarro diz que não concorda com o fim da gestão privada dos hospitais e enaltece os resultados das quatro PPP existentes no setor da Saúde.

Alberto João Jardim: “O nosso adversário foi número dois de Sócrates e chama-se António Costa”

O presidente honorário do PSD/Madeira afirmou este sábado, no congresso regional do partido, que o primeiro-ministro, António Costa, é o “adversário” da autonomia e aconselhou os dirigentes sociais-democratas a “internacionalizar” a questão.

Miguel Albuquerque rejeita “imposição colonial” de Lisboa

O líder social-democrata considerou que a sociedade madeirense está bipolarizada politicamente entre os “autonomistas” do PSD/M e os “feitores do colonialismo lisboeta, os socialistas e os comunistas locais subordinados às ordens do poder central jacobino”.
Comentários