Costa prevê redução da dívida bruta e estabilização do sistema financeiro

Primeiro-ministro defendeu a tese de que “está a ser possível concluir o processo de estabilização do sistema financeiro português”.

Ler mais

O primeiro-ministro considerou hoje que a autorização por Bruxelas da venda do Novo Banco encerrou o último capítulo pesado do processo de estabilização do sistema financeiro que haverá redução da dívida bruta a partir de segunda-feira.

Estas posições foram assumidas por António Costa numa intervenção que fez no 7º Congresso dos Economistas, na Fundação Calouste Gulbenkian, em que defendeu a tese de que “está a ser possível concluir o processo de estabilização do sistema financeiro português”.

“Com a autorização pela Comissão Europeia da venda do Novo Banco à Lone Star, na quarta-feira, conclui-se o último capítulo pesado no processo de estabilização do nosso sistema financeiro. Este processo, conjugado com a capacidade de os nossos principais bancos detentores de créditos malparados terem sabido encontrar uma plataforma de gestão de créditos comuns sobre empresas, cria boas condições para que haja um quadro de financiamento mais favorável nos próximos anos”, sustentou o líder do executivo.

Na sua intervenção, o primeiro-ministro considerou essencial a estabilidade macroeconómica.

“É muito positivo que os mercados tenham vindo a reconhecer progressivamente a trajetória positiva do país em matéria de redução do défice ao longo dos últimos seis anos. É importante criar condições para que, a partir da próxima segunda-feira, comece a registar-se uma redução efetiva da dívida bruta”, disse.

Neste ponto, António Costa referiu que, em dois anos consecutivos, Portugal registará “saldos primários sólidos e uma redução da dívida líquida”.

“Espero que o registo pela Standard & Poor’s desta evolução tenha sido o primeiro passo para que seja certamente seguido por outras agências de notação”, acrescentou.

Relacionadas

Centeno terá de ir ao Parlamento esclarecer venda do Novo Banco à Lone Star

Por iniciativa de dois deputados do PCP, Miguel Tiago e Paulo Sá, requerimento para audição do ministro das Finanças na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa foi aprovado por unanimidade na manhã de quarta-feira. Miguel Tiago sublinha analogia com o BPN que, mesmo depois de ter sido vendido, continuou a gerar encargos para o Estado.

Finanças dizem que venda do Novo Banco “é concluída nos próximos dias”

“A injeção de mil milhões de euros pela Lone Star, juntamente com o plano de reestruturação e as medidas aprovados pela Comissão, em conformidade com as regras da União Europeia em matéria de auxílio estatal, irão garantir a viabilidade a longo prazo do Novo Banco”, conclui a nota do Ministério.
Recomendadas

Índices de Aceitação e de Oposição: PS votou a favor de mais diplomas do PSD do que do PCP

Plataforma Hemiciclo acaba de lançar uma nova funcionalidade: os Índices de Aceitação e de Oposição que registam o número de vezes que uma determinada bancada parlamentar votou a favor ou contra diplomas de cada uma das outras bancadas. Entre os dados compilados destacam-se algumas surpresas.

Santana quer Aliança entre “maiores partidos e aumentar “mercado eleitoral” do centro-direita

“Se tiver no mercado eleitoral, em vez de duas ofertas, três ofertas válidas, há condições para esse espaço político conseguir mais votos do que só com duas”, garantiu Pedro Santana Lopes.

Rui Rio diz que “não ficaria surpreendido” com a recondução de Joana Marques Vidal

Líder do PSD salienta que tem feito “um esforço muito grande não pela não politização, mas pela não partidarização” da nomeação para a Procuradoria-Geral da República.
Comentários