Costa promete ponderar sobre fundamentos do veto de Marcelo

Em causa a rejeição ao diploma sobre sigilo bancário apresentada pelo Presidente da República.

Rafael Marchante/Reuters
Ler mais

O primeiro-ministro, António Costa, prometeu ponderação acerca das razões invocadas pelo Presidente da República para vetar o diploma governamental sobre o sigilo bancário.

“Vamos ponderar o fundamento da decisão do senhor Presidente da República e, em função disso, tomaremos uma decisão”, disse Costa, no Porto, à margem da inauguração da exposição com a coleção Miró que pertenceu ao BPN.

“O fundamento é muito claro, o senhor Presidente assim o explicita sem levantar questões sobre a constitucionalidade, mas levantando questões relativas à oportunidade parcial do diploma. Vamos refletir e, em função disso, vamos tomar uma decisão”, acrescentou o líder do Executivo.

“Como compreenderão, quando tomarmos uma decisão o primeiro a tomar conhecimento dela será o senhor Presidente da República e só depois informaremos o país sobre a situação”, explicou António Costa,

À tarde, a Presidência da República anunciara que o diploma fora rejeitado, algo que sucedia pela primeira vez com um decreto-lei de iniciativa governamental desde que Marcelo Rebelo de Sousa foi eleito chefe de Estado.

Entretanto, Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, confirmou que a coleção Miró vai ficar exposta na Casa de Serralves que será alvo de remodelação por parte do arquiteto Álvaro Siza Vieira.

Relacionadas

Marcelo veta acesso do fisco a saldos bancários

Presidente da República considera que decreto não prevê qualquer invocação, pela AT de indício de prática de crime fiscal, omissão ou inveracidade ao Fisco ou acréscimo não justificado de património. E considera que novas regras vão mais longe face às exigidas por Bruxelas.
Recomendadas

“Troika deixou marcas no mercado de trabalho”, realça Secretário de Estado do Emprego

Num discurso onde traçou o cenário do emprego em Portugal nos últimos três anos, com ênfase para a queda da taxa de desemprego e aumento do emprego criado, Miguel Cabrita chamou ao Governo parte dos louros.

CDS vai pedir uma comissão de inquérito ao ‘caso Tancos’

Proposta dos centristas surge depois da Polícia Judiciária ter detido hoje militares da Polícia Judiciária Militar e da Guarda Nacional Republicana e um outro suspeito no âmbito do caso do roubo de Tancos.

“Ele deu uma facada e rodou. Para matar, mesmo”. Bolsonaro fala pela primeira vez depois do ataque

”Ele deu uma facada e rodou. Para matar mesmo. O cara sabia o que estava fazendo. Por milímetros não atingiu veias que eu não teria como resistir”, revelou o candidato sobre o ataque de foi alvo.
Comentários