Costa sobre Sócrates: “No PS as pessoas não conheciam os factos que têm vindo a publico”

O primeiro-ministro defendeu que as investigações a José Sócrates devem terminar, defendendo o direito à presunção de inocência do antigo primeiro-ministro.

António Costa abordou em público as acusações de que José Sócrates é alvo na justiça no âmbito da Operação Marquês.

O primeiro-ministro garante que no PS não havia conhecimento das acusações que têm vindo a público sobre o antigo secretário-geral do PS e ex-primeiro-ministro.

“Tenho a certeza que no Partido Socialista as pessoas não conheciam os factos que têm vindo a público”, começou por dizer o primeiro-ministro na quinta-feira à noite na TVI 24. “Em segundo lugar, eu também não entro na lógica populista de me antecipar aquilo que é próprio de um estado de direito”.

Recorde-se que José Sócrates está acusado de corrupção passiva de titular de cargo político, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal qualificada no processo Operação Marquês.

O primeiro-ministro defendeu que as investigações a José Sócrates devem terminar, defendendo o direito à presunção de inocência.

“Ninguém está acima da lei e, portanto, quando há suspeitas deve ser investigado, quando há indícios, deve ser acusado, tem o direito de defesa, tem o direito de ser julgado, até lá, presunção de inocência. [Depois] retiraremos as ilações que teremos a retirar quando forem concluídos esses processos judiciais, seja do engenheiro José Sócrates, seja de qualquer outro”, destacou António Costa no programa Circulatura do Quadrado.

O primeiro-ministro rejeitou fazer um “julgamento popular” de Sócrates para evitar populismos.

“Agora, seria seguramente muito simpático eu fazer aqui o julgamento popular do engenheiro José Sócrates, mas não faço. Nós começamos a ser derrotados pelo populismo quando começamos a comportar-nos como uns populistas”, afirmou.

Operação Marquês: Quem são os 28 arguidos e do que são acusados

Ler mais
Recomendadas
Crédito: Acácio Amaral

Gaudêncio demite-se da liderança do PSD nos Açores e pede eleições internas antecipadas

Alexandre Gaudêncio demitiu-se do cargo de líder do PSD/Açores e vai pedir eleições internas diretas. Alvo de uma investigação da Judiciária, não diz se avança com uma recandidatura.
marcelo_rebelo_sousa_legislativas_voto

Marcelo espera que eleições sejam “passo importante” para o futuro de Moçambique

O Presidente da Republica afirmou esperar que estas eleições “possam ser a continuação de um processo, abrindo para um futuro”, porque “um futuro melhor para Moçambique é um futuro melhor para Portugal”.

Governo: Médicos lamentam continuação de Marta Temido e de Mário Centeno

O bastonário da Ordem dos Médicos entende que o primeiro-ministro “não está a saber aproveitar a nova oportunidade que os portugueses lhe deram” ao manter os mesmos ministros da Saúde e das Finanças.
Comentários