Cotadas ‘escoltam’ chefe do governo espanhol na sua viagem a Cuba

Cuba precisa de escapar do espartilho imposto pela Casa Branca e Espanha é uma das suas melhores opções. Chefe do governo espanhol não vai encontrar-se com nenhum membro das oposições internas a Miguel Díaz-Canel.

Pedro Sánchez parte esta quinta-feira para a sua primeira viagem a Cuba como chefe do Governo, uma expedição cujos objetivos são alcançar “progresso para os interesses económicos espanhóis”, indicam fontes governamentais citadas pelo jornal ‘El Economista’. Para isso, Sánchez será acompanhado por inúmeros CEO de grandes empresas espanholas com presença na bolsa e no diversas PME.

Representantes da Iberia e da Telefónica, entre outras, partem à frente de um batalhão de empresários, embora não haja uma lista oficial divulgada. No total, com o chefe de Estado viajam representantes de 24 empresas com presença no Ibex e dez PME, todos com interesses económicos em Cuba ou interessados em passar a tê-los.

Logo no primeiro dia da visita será organizado um fórum pelas Câmaras de Comércio de Espanha e Cuba, que envolverá cerca de 200 empresários, entre os quais também estarão os rostos conhecidos do setor hoteleiro espanhol, que responde por cerca de 71% dos quartos de hotel da ilha.

Na visita também participará o ministro da Indústria, Comércio e Turismo, Reyes Maroto, que “terá uma agenda complementar os interesses da comunidade empresarial espanhola. Alguns projetos emblemáticos fazem parte da agenda. Cuba está a abrir-se e queremos que as nossas empresas estejam bem posicionadas para novos contratos”, disse a mesma fonte.

De qualquer forma, da Presidência do Governo há indicação que não está prevista qualquer assinatura de acordos comerciais formais com o executivo cubano. Mas há uma lista de setores prioritários: energia, transporte, infraestrutura e gestão urbana.

Do lado cubano, o interesse no aumento da da exposição da sua economia ao investimento espanhol é muito alto: o país está a braços com nova investida da Casa Branca contra os seus interesses – que se tem consubstanciado na enorme dificuldade de o regime cubano aceder a financiamento internacional.

É neste ponto central que radica a necessidade de Cuba encontrar novos interlocutores para a sua economia – e, neste quando, até por razões históricas, Espanha tem um papel central a desempenhar.

Entretanto, a imprensa espanhola diz que Pedro Sánchez não está interessado em politizar a visita à antiga colónia espanhola (libertada no final do século XIX com o auxílio dos Estados Unidos). Assim, está previsto que o chefe do governo espanhol não terá qualquer encontro com os líderes dos movimentos dissidentes cubanos – que continuam ativos no terreno, apesar do afastamento do poder da família Castro e de Miguel Díaz-Canel assumir alguma abertura do regime. Sánchez também não deverá encontrar-se com o antigo presidente Raul Castro.

Ler mais
Relacionadas

Espanha e Reino Unido já têm pré-acordo sobre Gibraltar

Este acordo baseia-se em quatro memorandos de entendimento e de um tratado fiscal.

Cimeira ibérica de amanhã centrada nas relações fronteiriças

A cimeira ibérica de Valladolid marca estreia de Pedro Sánchez na qualidade de primeiro-ministro de Espanha.

Guarda quer receber cimeira luso-espanhola em 2019

A cimeira luso-espanhola, que vai juntar, pela primeira vez naquele tipo de encontros, os primeiros-ministros António Costa e Pedro Sánchez, decorrerá em 21 de novembro, na cidade espanhola de Valladolid.
Recomendadas

Digitalização vai criar oportunidades para surgimento de novas empresas de outsourcing

O Jornal Económico foi ouvir alguns ‘players’ do mercado sobre a forma como a transformação digital está a revolucionar o outsourcing. No que respeita a Portugal, a opinião é de que revela uma crescente atratividade enquanto plataforma tecnológica para o desenvolvimento de software e novas tecnologias, consultoria, investigação e conhecimento.

PremiumBLAST PRO SERIES Vai andar tudo aos tiros na Altice Arena

Lisboa está a ser palco, pela primeira vez, palco do circuito mundial de torneios de jogos eletrónicos, ou ‘eSports’. Uma indústria em crescimento vertiginoso em todo o mundo, que movimenta milhões em dinheiro, em praticantes, em audiências televisivas e em contratos de patrocínios.

CMVM delibera perda da qualidade de sociedade aberta da Transinsular

A ETE compromete-se a comprar as ações durante três meses a 38 euros por título.
Comentários