Covid-19. Entrega de prémios FNA adiada

A cerimónia dos Food & Nutrition Awards será adiada, num esforço para conter a pandemia do novo coronavírus e seguindo as indicações das autoridades de saúde.

Tendo em conta a evolução da pandemia do novo coronavírus e da consequente infeção por Covid-19, que tem levado a um aumento diário de casos confirmados em Portugal, coube a organização do Food & Nutrition Awards a decisão de adiar a cerimónia da entrega de prémios que estava agendada para o dia 31 de março, em Lisboa.

A decisão de adiar o evento vai ao encontro das recomendações das autoridades de saúde locais para que sejam evitados e remarcados eventos que não sejam estritamente necessários e que possam representar um risco de contágio para os seus participantes.

De forma a contribuir para o esforço de contenção da pandemia em Portugal, o Jornal Económico decidiu adiar a cerimónia e comunicará, assim que possível, a nova data para a realização da mesma, esperando que possa ser em breve.

Todas as informações e atualizações relativas ao novo coronavírus e à infeção Covid-19 devem ser consultadas no site da Direção Geral de Saúde e da Organização Mundial de Saúde.

 

 

Este conteúdo foi produzido em colaboração com os Food & Nutrition Awards.

Ler mais
Recomendadas

Ensaios iniciais da Johnson & Johnson mostram resposta imune em 98% dos participantes

O fármaco, disponível no formato de uma ou duas tomas, já avançou esta semana para a fase 3 dos ensaios clínicos, pelo que os especialistas avisam que estes resultados preliminares ainda são de interpretação limitada.

Montepio entrega plano de transformação aos trabalhadores dia 6. Previstas entre 600 a 900 saídas

Plano de transformação do Banco Montepio entregue aos trabalhadores dia 6 outubro e prevê a saída de, pelo menos, 600 pessoas, e um máximo de 900, através de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo. Já estão identificados 37 balcões para encerrar, estando mais cerca de 40 em equação.

Regulador europeu pede fim da suspensão do Boeing 737 Max

“Pela primeira vez em ano e meio, posso dizer que o trabalho com o 737 Max está quase a terminar”, apontou Patrick Ky, diretor executivo da Agência de Segurança de Aviação da União Europeia (EASA, sigla inglesa).
Comentários