Covid-19: Madeira prolonga situação de calamidade até agosto

A Madeira decidiu manter as atuais medidas de contenção da pandemia, como o uso da máscara, o recolher obrigatório, e o encerramento dos estabelecimentos à meia-noite, numa altura em que o Governo da República prepara o alívio de restrições, a partir de 1 de agosto.

A Madeira decidiu prolongar a situação de calamidade até agosto 31 de agosto, e manter as medidas de controlo sanitário que estão em vigor, onde se inclui por exemplo o uso da máscara, recolher obrigatório entre a 1 e 5 de madrugada, e encerramento dos estabelecimentos à meia-noite.

A região anuncia a manutenção das medidas de controlo sanitário contra a Covid-19, na mesma altura em que o Governo da República, liderado por António Costa, apresentou a sua estratégia para o desconfinamento.

Desconfinamento da República contempla três fases

O plano de desconfinamento, apresentado pelo Governo da República, na passada quinta-feira, inclui três fases. Ao longo deste plano será colocado fim ao recolher obrigatório e ao uso obrigatório da máscara na via pública (excepto se não for possível manter o distanciamento), medidas que a Madeira decidiu, por enquanto, manter em vigor.

A primeira fase do desconfinamento da República, que se inicia a partir de 1 de agosto, inclui o fim do recolher obrigatório, e os eventos desportivos passam a ter público (regras DGS) e os espetáculos culturais a contar com 66% da lotação.

Já os casamentos e batizados passam a contar com uma lotação de 50%, enquanto os equipamentos de diversão passam a funcionar segundo as regras da DGS e em local autorizado pelo município local. O teletrabalho passa de obrigatório para recomendado, quando as atividades o permitam. Nesta primeira fase continuam encerrados os bares e discotecas, estando proibidas as festas e romarias populares.

Na segunda fase, que se inicia quando 70% da população estiver com a vacinação completa contra a Covid-19, deverá ser decretado o uso obrigatório de máscara na via pública. Nessa altura, deixará de ser obrigatório o uso de máscara na via pública (a não ser que não seja possível manter o distanciamento), os casamentos e batizados, bem como os espetáculos culturais passam a ter 75% da lotação. As projeções do Governo central apontam para que em setembro 70% da população tenha a vacinação completa.

Nesta segunda fase deixa de existir uma limitação nos transportes públicos e os serviços públicos deixam de ter marcação prévia.

A terceira fase está prevista arrancar em outubro, altura em que o Governo estima que 85% da população estará com vacinação completa. Os bares e discotecas voltam a abrir, mas com a exigência de certificado digital ou teste negativo, os restaurantes deixam de ter um número um limite máximo de pessoas por grupo, bem como deixa de existir um limite de lotação.

Recomendadas

PS está na “posição ingrata” em que “todos lhe batem”, diz António Costa

Segundo o líder socialista, “a realidade” é que, “em cada um dos concelhos, a escolha é sempre uma, ou é o PS e as coligações PSD/CDS-PP ou é o PS e a CDU”.

“Maquiavel para Principiantes”. “Em vez do cartão amarelo ao Governo, podemos ter cartão vermelho ao líder da oposição”

“Mais importante do que bazucas, metralhadoras, helicópteros ou outro tipo de arsenal, há mais pessoas a acreditar numa vitória do PS do que num triunfo do PSD. Nestas eleições faz-se sentir muitas vezes o cartão amarelo ao Governo mas o que parece é que se está a preparar um cartão vermelho ao líder da oposição”, realçou Rui Calafate na edição desta semana do podcast do JE.

Portugal tem 83% da população totalmente vacinada contra a Covid-19

DGS contabiliza mais de 8,8 milhões de pessoas (86%) no país com pelo menos uma dose.
Comentários