Coworking: o futuro dos espaços de trabalho

A pandemia trouxe consigo novos desafios na organização do trabalho. Os espaços de coworking vieram responder às novas exigências de trabalhadores e empresas.

Sair de casa para ir trabalhar era um hábito completamente enraizado na nossa sociedade. Até há pouco tempo era inimaginável conceber uma empresa sem um escritório. A pandemia do novo Coronavírus veio alterar profundamente a nossa rotina, derrubando muito daquilo que tomávamos por adquirido. 2020 obrigou-nos a parar e a repensar a forma como a nossa sociedade estava organizada, incluindo o trabalho.

Nas empresas o impacto foi imediato, levando as equipas de gestão a redefinir estratégias, adotar novas metodologias e dinâmicas de trabalho, automatizar processos e flexibilizar estruturas.

Hoje, o trabalho remoto já não é uma extravagância nem uma experiência, é a realidade que a pandemia impôs. A experiência do teletrabalho, com todos os seus desafios, permitiu descobrir uma nova maneira de organizar o trabalho, permitindo aos trabalhadores uma maior flexibilidade na organização do seu tempo e às empresas um maior controlo dos seus custos fixos. Contudo se para algumas pessoas trabalhar em casa é conveniente, outras não têm condições para o fazer. O confinamento demonstrou que trabalhar em casa é um desafio que exige meios e know how que não estão ao dispor de todos.

E se a solução passar por um espaço de coworking?

Nos espaços de coworking as pessoas encontram o sentido de comunidade e junto à máquina do café nascem conversas espontâneas, trocas de ideias e momentos de inspiração.

Trabalhar a partir de casa pode levar a um modo de vida sedentário e isolado. Os espaços de coworking permitem a convivência social e humana essencial para a pessoa, ao mesmo tempo que mantém as vantagens de flexibilidade que o teletrabalho permite. Com o coworking é possível ter um ambiente profissional, perto de casa.

A pandemia tem exigido um grande esforço de adaptação às empresas. Mais do que nunca é essencial garantir um espaço de trabalho seguro, que respeite todas as exigências impostas pelo novo vírus.

Ao chegar a um local, os nossos olhos procuram logo a sinalética com indicação da entrada e saída, o dispensador de álcool gel, o número de pessoas permitido, etc. Já faz parte das nossas rotinas e quando não são cumpridas causa-nos estranheza e desconforto. O local de trabalho, as condições de acessibilidade, a qualidade do ar, os sistemas de ventilação, o conforto, a ergonomia, a fácil higienização dos espaços e mobiliário são hoje um requisito. Mas se algumas destas medidas são fáceis e rápidas de implementar, outras podem revelar-se muito onerosas ou mesmo inviáveis.

O coworking permite a partilha desses custos, ao mesmo tempo que garante um espaço de trabalho totalmente seguro. E permite uma gestão eficiente das necessidades de cada empresa seja um posto de trabalho, um escritório ou apenas a utilização de uma sala de reuniões.

Ninguém sabe quanto tempo esta pandemia irá durar nem que surpresas ela ainda nos reserva, apenas sabemos que terá um enorme impacto na economia e na vida das famílias. Num cenário completamente desconhecido, além de todas as decisões que terão que tomar para manter a sua sustentabilidade, as empresas têm de estar preparadas para reagir depressa e sem custos acrescidos.

Os escritórios físicos – e a rotina inerente a estes – vão passar a ser uma escolha entre várias. A possibilidade de trabalhar em qualquer lugar, com recurso a ferramentas digitais, vai devolver qualidade de vida aos trabalhadores.

Os espaços de coworking oferecem uma variedade de locais e experiências que geram conveniência, funcionalidade e bem-estar. Podem ser uma forma de combater o isolamento e a desmotivação, ao mesmo tempo que dinamizam a economia local.

Recomendadas

Assista amanhã à JE editors Talks: Contabilistas Certificados

Esta sexta-feira, às 15h00 não perca uma conversa sobre os desafios atuais e as prespectivas para o futuros dos Contabilistas Certificados.

44% dos portugueses já escolhe investimento sustentável

O investimento sustentável ganha relevância entre os portugueses e os gestores de ativos têm um papel fundamental, tanto na criação como na partilha de soluções capazes de gerar valor sustentável – económico, ambiental e social.

Veja agora a JE editors Talks: Quem é Quem nas TIC

Saiba quais as perspectivas de algumas empresas do setor das TIC quanto a uma possível retoma económica, tanto no mercado nacional e internacional.
Comentários