Crânio mais antigo do mundo encontrado em Portugal

Fóssil humano foi descoberto na gruta da Aroeira e vai ser a peça central de uma exposição que abre no mês de outubro no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa.

O crânio tem cerca de 400 mil anos. É da altura média do Pleistoceno, que cobre o período desde há 2,5 milhões de anos até há 11,5 mil anos, num local tão ocidental da Europa.

“Estudo estes locais há mais de 30 anos e já recuperámos muitos dados, mas a descoberta de um crânio humano desta idade e importância é sempre um momento muito especial”, afirmou João Zilhão, um dos arqueólogos responsáveis pela descoberta.

O crânio foi encontrado na gruta da Aroeira, concelho de Torres Novas. As conclusões foram hoje apresentadas num estudo publicado na edição desta semana do boletim da Academia Nacional das Ciências dos Estados Unidos, como noticia a Lusa.

“O crânio da Aroeira é o fóssil humano mais antigo já encontrado em Portugal e partilha algumas características com outros fósseis deste período descobertos em Espanha, França e Itália”, afirmou o arqueólogo Ralf Quam, da universidade norte-americana de Binghamton, citado pela Lusa.

 

Recomendadas

Perto de 120 novos inspetores iniciaram funções na PJ

Depois de terem terminado o período de nove meses de estágio com sucesso, 118 novos inspectores da PJ vão agora iniciar funções, representando um reforço de mais de 10% nos operacionais para investigar a criminalidade mais grave e complexa do nosso país. É a primeira vez desde 2015 que a PJ receberá “sangue novo”. Estão ainda mais 100 reforços na calha.

Harvey Weinstein considerado culpado de violação e agressão sexual

O veridicto foi divulgado esta segunda-feira. Weinstein foi considerado culpado de ato sexual criminoso em primeiro grau e violação em terceiro, segundo o jornal “The New York Times”. Até agora, ainda não foram dados pormenores da pena que será aplicada.

Mundo tem de se preparar para uma “eventual pandemia”, diz OMS

“Devemos concentrar-nos na contenção [da epidemia], enquanto fazemos todo o possível para nos prepararmos para uma possível pandemia”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, numa conferência de imprensa em Genebra.
Comentários