Crânio mais antigo do mundo encontrado em Portugal

Fóssil humano foi descoberto na gruta da Aroeira e vai ser a peça central de uma exposição que abre no mês de outubro no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa.

O crânio tem cerca de 400 mil anos. É da altura média do Pleistoceno, que cobre o período desde há 2,5 milhões de anos até há 11,5 mil anos, num local tão ocidental da Europa.

“Estudo estes locais há mais de 30 anos e já recuperámos muitos dados, mas a descoberta de um crânio humano desta idade e importância é sempre um momento muito especial”, afirmou João Zilhão, um dos arqueólogos responsáveis pela descoberta.

O crânio foi encontrado na gruta da Aroeira, concelho de Torres Novas. As conclusões foram hoje apresentadas num estudo publicado na edição desta semana do boletim da Academia Nacional das Ciências dos Estados Unidos, como noticia a Lusa.

“O crânio da Aroeira é o fóssil humano mais antigo já encontrado em Portugal e partilha algumas características com outros fósseis deste período descobertos em Espanha, França e Itália”, afirmou o arqueólogo Ralf Quam, da universidade norte-americana de Binghamton, citado pela Lusa.

 

Recomendadas

Alterações climáticas: 60% das plantações selvagens de café em risco de extinção

“Uma percentagem de 60% de todas as espécies de café em risco de extinção é extremamente alta, especialmente quando se compara isso a uma estimativa global de 22% das plantas em risco de extinção”, disse Eimear Nic Lughadha. Com o aumento das temperaturas globais, os investigadores estimam a produção desta planta deva cair pela metade até o final do século.

Arrendamento urbano: Comissão propõe regime de exceção para as autarquias

Proposta pretende aumentar a oferta dirigida à classe média/baixa no mercado de arrendamento habitacional.

Sindicato dos Enfermeiros Portugueses acusa ministra da Saúde de dizer “inverdades”

Em causa estão as declarações da ministra da Saúde, Marta Temido, proferidas na quinta-feira no final de reuniões com os sindicatos dos enfermeiros, em que afirmou não ser possível “corrigir hoje, por uma revisão da carreira, tudo o que é um histórico de congelamentos” na profissão de enfermagem.
Comentários