Crescimento anémico dificulta a vida a Macron

Enfraquecido pelo caso Benalla e pela demissão de um novo ministro, o Executivo francês luta pela sobrevivência. Fraca pujança económica põe em xeque medidas do presidente, que quer ditar novo modelo para a zona euro.

Ler mais

O governo de Emmanuel Macron prepara-se para um novo teste à sua determinação e capacidade política. Depois de ter sobrevivido a duas moções de censura no parlamento e a uma mão cheia de demissões em pouco mais de um ano, a desaceleração do crescimento económico pode vir a criar novas dificuldades ao executivo francês. A cedência a lóbis e a incapacidade de travar os gastos e o défice público colocam a popularidade do presidente em queda livre, numa altura em que o país se começa a preparar para as eleições no Parlamento Europeu do próximo ano.

O primeiro-ministro, Edouard Philippe, veio esta semana detalhar as principais metas orçamentais para 2019. Entre as várias surpresas anunciadas, está a revisão da taxa de crescimento económico: o governo de Macron prevê que a economia cresça 1,7% este ano, ao invés dos 1,9% inicialmente avançados. A correção das previsões acontece pouco depois de terem sido revelados dados económicos também eles pouco favoráveis a Macron, que prometeu fazer renascer a economia francesa.

No segundo trimestre deste ano, o Produto Interno Bruto (PIB) francês manteve um crescimento anémico de 0,2%. As importações recuperaram 1,0%, após uma queda de 0,4% no trimestre anterior, e as exportações cresceram apenas 0,2%. Os números são sobretudo desanimadores tendo em conta que, após cinco anos de fraco crescimento económico sob a liderança de François Hollande, a economia francesa registou um crescimento de 2,2% logo após as eleições de maio do ano passado, num clima de entuasiasmo com a agenda reformista e progressista do líder do “En Marche”. Mas, até agora, o presidente que tem tentado persuadir outros países da União Europeia a seguir as suas medidas para reformar a zona euro, tem conseguido apenas um desempenho sem brilho no seu país.

Embora os economistas concordem que muitas das medidas de liberalização do Estado e de aumento da competitividade da França apresentadas por Macron demorem alguns anos a fazer efeito, o que é certo é que a ausência de resultados a curto prazo pode custar votos ao executivo nas próximas eleições para o Parlamento Europeu. Além disso, as reformas sociais e a tomada de medidas impopulares, como o aumento de impostos e os sucessivos cortes nos orçamentos do poder local e regional, não têm convencido nem agradado aos franceses.

A somar-se ao fraco crescimento económico, que tem conquistado intenções de voto à oposição e minado a confiança dos franceses no atual executivo, estão os sucessivos escândalos e as demissões  inesperadas. Após regressar de férias, Macron foi confrontado no início da semana com uma nova demissão no seu Executivo – desta vez do ministro do Ambiente, Nicolas Hulot. Em direto, numa entrevista à rádio France Inter, Nicolas Hulot confessou estar “frustrado” com a falta de progressos e a dificuldade do governo em se libertar dos chamados “representantes de interesses”.

O pedido de demissão daquele que era um dos “ministros-estrela” de Macron atingiu a sociedade francesa como uma bomba e veio enfraquecer a já frágil liderança do Executivo francês, ainda a ‘digerir’ o caso Benalla. No âmbito deste caso – em que Macron é acusado de montar uma “polícia paralela” em conjunto com o seu chefe de segurança pessoal –, o Palácio do Eliseu mergulhou na pior crise desde as últimas eleições e sofreu duas moções de censura, às quais o Executivo sobreviveu à custa de uma perda de credibilidade gritante junto do povo francês.

A popularidade do centrista caiu para os níveis mais baixos desde o início do seu mandato, segundo uma sondagem feita pela YouGov, no início de agosto. Os dados revelam que o desempenho de Macron no cargo é visto com bons olhos apenas por 27% dos franceses, menos cinco pontos percentuais do que na sondagem anterior.

Recomendadas
Respostas Rápidas: Que produtos foram afetados pelas tarifas dos EUA à China?
Em que ponto está a guerra comercial? Qual a lista de produtos impactados? Como reagiu a China? O que dizem os analistas? Segundo os cálculos do instituto alemão Ifo, estas tarifas irão travar o crescimento da China em 0,1 a 0,2 pontos percentuais e colocar a Europa numa posição mais forte.
Kim Jong-un diz que cimeira com Donald Trump estabilizou a segurança regional
O líder da Coreia do Norte enalteceu hoje a cimeira realizada com Donald Trump, presidente dos EUA, na medida em que estabilizou a segurança regional. Jong-un também disse que espera obter mais progressos na próxima cimeira inter-coreana.
China retalia Estados Unidos com tarifas de 60 mil milhões de dólares
A decisão surge horas depois de a Casa Branca dizer que os Estados Unidos da América iriam impor taxas alfandegárias às importações chinesas no valor de 200 mil milhões de dólares (aproximadamente 171 mil milhões de euros).
Comentários