Crescimento da construção volta a acelerar em junho, para 4%

A evolução dos índices dos dois segmentos que integram o Índice de Produção na Construção acelerou, segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

O crescimento homólogo da produção no sector da construção em Portugal acelerou 0,6 pontos percentuais em junho, face a maio, para 4%, o ritmo mais alto em, pelo menos, um ano, segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta sexta-feira, 10 de agosto.

A evolução dos índices dos dois segmentos que integram o Índice de Produção na Construção acelerou. O passo da expansão da Construção de Edifícios passou de uma variação homóloga de 3,5% em maio, para 3,8% em junho. Este segmento “apresentou o maior contributo, 2,3 pontos percentuais, para o índice total”, refere o INE.

A Engenharia Civil cresceu 4,3% em junho, uma taxa 0,5 pontos percentuais mais alta que a verificada em maio.

Remunerações duplicam taxa

O índice de emprego no sector da construção registou uma taxa de variação homóloga de 2,6%, traduzindo um abrandamento de 0,2 pontos percentuais face a maio.

Face ao mês anterior, o índice de emprego registou uma variação de 0,3%, traduzindo, mais uma vez, um abrandamento de duas décimas face ao valor do mês precedente.

Já a taxa de crescimento homóloga do índice das remunerações efetivamente pagas duplicou em junho, face a maio, para 6,6%.

Em termos mensais, comparativamente com maio, o índice das remunerações aumentou 9,9%, revelando uma aceleração de 3,4 pontos percentuais.

Ler mais
Relacionadas

Conclusão de processos aumenta insolvências em 6,9% até final de julho

A conclusão de processos de insolvência está na origem do aumento de fecho de empresa em Portugal no acumulado do ano. A constituição de novas empresas cresceu 11,3% no mesmo período.

Construir uma casa nova ficou 1,6% mais caro devido ao preço dos materiais

O Centro (1,7%) e o Norte (2%) foram as regiões que apresentaram subidas homólogas superiores à média do Continente. Por outro lado, o Alentejo e Algarve registaram descidas face aos preços do ano passado.
Recomendadas

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais, diz a PwC

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

FMI indica três passos para evitar uma crise de dívida pública

O artigo publicado hoje no IMFBlog, o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirma que “a sustentabilidade da dívida de alguns países de alto risco tem sido objeto de muito debate público”, mas, no entanto, “o peso da dívida pública é um problema crescente em todo o mundo”.

Luís Pedro Martins eleito para mandato de 5 anos na Turismo Porto e Norte de Portugal

De acordo com os atuais estatutos da TPNP, o mandato da comissão executiva tem a duração de cinco anos e só pode ser renovado uma vez.
Comentários