PremiumCrescimento da economia camufla subida da dívida pública

O endividamento é o calcanhar de Aquiles da economia portuguesa e um tema que continua a dividir o Governo e os críticos. O rácio em relação ao PIBestá melhor, mas o valor absoluto continua a crescer. Analistas misturam aplausos com alertas.

O exercício não tem sido fácil para António Costa e para Mário Centeno. Se, por um lado, têm de gabar o que consideram o brilharete da redução do peso da dívida pública na economia este ano, por outro, são obrigados a defenderem-se da realidade que o valor absoluto da dívida não pára de crescer. Em julho deste ano, o primeiro-ministro foi questionado sobre um novo recorde atingido no valor do endividamento. António Costa respondeu que a trajetória da dívida é conhecida e que em 2018, pelo segundo ano consecutivo, Portugal vai reduzir a dívida. Foi uma resposta pouco concreta.

Portugal deverá conseguir este ano baixar o rácio da dívida pública face ao Produto Interno Bruto (PIB), para  121,2%, a quarta descida seguida, numa tendência iniciada pelo Governo anterior. No entanto, se olharmos pelo prisma do total da dívida, e não apenas do rácio, o país não vai conseguir reduzir o valor este ano. António Costa salientou em julho que a evolução da dívida mede-se anualmente e não pela conjuntura do mês, “porque as operações são diversas ao longo do ano”. Segundo dados divulgados pelo Banco de Portugal esta semana, a dívida das administrações públicas atingiu um novo máximo em outubro, nos 251 mil milhões, face aos cerca de 243 mil milhões no final de 2017.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Brexit leva companhia aérea Flybmi à falência

É a nova falência provocada pelo Brexit. A Flybmi transportou 522.000 passageiros em 29.000 voos no ano passado em “codeshare” (parceria) com parceiros europeus, incluindo a Lufthansa, Turkish Airlines e Air France.

Vem aí a nova sociedade que vai controlar a “TSF”, o “DN” e o “Jornal de Notícias”

Os credores da Controlinveste, Millennium bcp e Novo Banco, acordaram o lançamento de uma nova sociedade que reúne as participações detidas pelas empresas de Joaquim Oliveira na Global Media, cuja posterior venda permitirá que os bancos presididos por Miguel Maya e António Ramalho possam recuperar parte dos 548 milhões de euros perdidos na Controlinveste

Comércio digital cresce mesmo sem tecnologia futurista

Os empresários contactados pelo Jornal Económico, que desenvolvem plataformas de comércio eletrónico, vendem ‘online’ ou estão ligados à indústria logística, defendem que os novos sistemas de pagamento têm facilitado a evolução deste mercado.
Comentários