Crescimento da zona euro acelera para 1,2% no primeiro trimestre

Economia da zona euro registou uma taxa de variação em cadeia de 0,4% nos primeiros três meses do ano, o que representa um acelerar face ao último trimestre de 2018.

O Produto Interno Bruto (PIB) na zona euro cresceu 1,2% em termos homólogos no primeiro trimestre do ano. Os dados divulgados esta quarta-feira pelo Eurostat, confirmam a estimativa rápida do organismo de estatística da União Europeia.

Em cadeia, a economia da zona euro acelerou 0,4% nos primeiros três meses do ano, que compara com os 0,2% do quarto trimestre de 2018.

Já Portugal cresceu 1,5% no primeiro trimestre face a período homólogo, segundo os dados do INE replicados no comunicado do Eurostat. Face ao trimestre anterior, a economia nacional cresceu 0,5%.

A União Europeia cresceu 1,5% no primeiro trimestre. Um crescimento que fica acima dos 3,2% registados nos Estados Unidos

A Comissão Europeia antecipa que o crescimento da economia na zona euro deverá abrandar para 1,2% este ano, pressionado pelo abrandamento da economia e do comércio global. Nas previsões de primavera, divulgadas a 7 de maio, Bruxelas reviu em baixa ligeira as estimativas sobre o crescimento do PIB médio dos 19 países da moeda única face aos 1,3% projetados em fevereiro.

Recomendadas

Diferença entre ricos e pobres baixa mas Portugal ainda é dos países mais desiguais da UE

Em causa estão dados divulgados esta quinta-feira pelo gabinete de estatísticas da UE, o Eurostat, que têm por base 20% dos rendimentos mais altos e os 20% dos mais baixos da população em toda a União.

Ditadores “inteligentes” atraem mais investidores estrangeiros, revela estudo

De acordo com a Bloomberg, que analisou o estudo publicado pelo Instituto da economia em transição do Banco da Finlândia, estes investimentos são ainda mais significativos, quando efetivamente o líder do regime possui diplomas universitários ao nível da economia, e em especial quando a estes se junta a experiência no mundo dos negócios.

Guterres: “Procurar um protagonismo que limite a minha capacidade de exercer o meu mandato, por vaidade pessoal, seria um ato de profunda estupidez”

O secretário-geral das Nações Unidas defende a reforma política da organização, mas destaca a dificuldade das mudanças devido à resistência dos membros do conselho permanente: Estados Unidos da América, Rússia, França, Reino Unido e China.
Comentários