Crescimento económico da Grécia em 2017 revisto em alta para 1,5%

A razão para a revisão prende-se com a despesa com consumo, que aumentou 0,6% de acordo com os novos dados, enquanto na estimativa rápida, o Elstat indicava uma diminuição de 0,2%.

Reuters

A economia grega cresceu mais no ano passado do que o antecipado. O Produto Interno Bruto (PIB) da Grécia expandiu 1,5% em 2017, face ao ano anterior, segundo o gabinete de estatísticas grego, Elstat. Os dados finais publicados esta quarta-feira representam uma revisão em alta de 0,1 pontos percentuais face à estimativa que tinha sido anunciada em março.

A razão para a revisão prende-se com a despesa com consumo, que aumentou 0,6% de acordo com os novos dados, enquanto na estimativa rápida, o Elstat indicava uma diminuição de 0,2%.

Dentro deste segmento, o consumo das famílias foi particularmente significativo, tendo crescido 0,9% em vez de 0,1% calculado inicialmente. Já a despesa do Estado com consumo recuou menos que o estimado em março (0,4%, em vez de 1,1%).

Em contrapartida, o investimento ficou abaixo dos cálculos iniciais, com um aumento de 9,1% face a 2016, em vez da estimativa inicial de 9,6%. A importação de bens e serviços cresceu 7,1% (o que compara com uma estimativa de 7,2% em março). Já as exportações de bens e serviços subiram 6,8%, tal como esperado na anterior publicação.

O país europeu mais penalizado pela crise, a Grécia saiu da recessão em 2013 e tem estado em recuperação económica. Em agosto deste ano, concretizou a saída do terceiro programa de assistência financeira, numa data histórica para o país e para a zona euro, após oito anos de resgates.

Face às características únicas da (tripla) assistência prestada ao país, e às fragilidades que a economia ainda revela, a Grécia continua sob vigilância pós-programa reforçada da troika, com missões de três em três meses, para garantir que Atenas prossegue, nesta nova era pós-resgates, uma política orçamental prudente.

No quadro do terceiro programa de apoio à estabilidade à Grécia, foi concedido a Atenas um total de 61,9 mil milhões de euros de empréstimos. No conjunto dos três resgates pedidos, foram concedidos à Grécia desde 2010 um total de 288,7 mil milhões de euros de empréstimos (256,6 mil milhões de euros provenientes dos seus parceiros europeus e 32,1 mil milhões do Fundo Monetário Internacional, FMI).

Ler mais
Relacionadas

PremiumCES da Grécia: “Esforços têm de ser na criação de riqueza e não em mais sofrimento para a população”

O secretário-geral do Conselho Económico e Social da Grécia, Apostolos Xyraphis, explicou, em entrevista ao Jornal Económico, como a digitalização e o empreendedorismo podem impulsionar a competitividade uma economia ainda em crise.

Bruxelas saúda Grécia por sair do programa de assistência, mas avisa que não é o fim do caminho

A Grécia, o país europeu mais atingido pela crise económica e financeira, foi o primeiro e último a pedir assistência financeira – e o único “reincidente” –, e a conclusão do seu terceiro programa, hoje, 20 de agosto, assinala também o fim do ciclo de resgates a países do euro iniciado em 2010, e que abrangeu também Portugal (2011-2014), Irlanda, Espanha e Chipre.

PremiumOito anos depois, Grécia chega ao fim da era dos resgates

A partir de hoje, país irá voltar a financiar-se no mercado e a almofada orçamental alivia a pressão. No entanto, a necessidade de crescimento e de contínuas reformas, a par do risco dos juros, levam a alguma cautela.
Recomendadas

OE2019: Proença diz que exclusão do futebol da redução de IVA é inexplicável

Em declarações enviadas por escrito à agência Lusa, Proença referiu-se à proposta de redução do imposto de valor acrescentado (IVA) de 13% para 6% em touradas, por parte do Partido Socialista, recordando uma audiência com o grupo parlamentar do PS em 31 de julho.

Diretiva dos Serviços de Pagamentos revista transposta para o ordenamento jurídico nacional. Saiba o que muda

O novo regime tem impacto na forma como os prestadores de serviços de pagamento disponibilizam os seus serviços, mas também no modo como particulares, empresas e Administração Pública efetuam pagamentos.

Autoeuropa tem oito mil carros para entregar e terá de recorrer a Leixões e portos espanhóis

De acordo com a empresa, trata-se de uma solução temporária, que permite minimizar os atrasos mas que não resolve o problema, porque não dá resposta às necessidades de escoamento da produção da fábrica de Palmela.
Comentários