Criação de nova entidade para fiscalizar rendimentos de políticos gera discórdia entre partidos

Atualmente, a fiscalização das declarações de rendimentos e património dos altos cargos públicos e políticos é uma das funções do Tribunal Constitucional, que já hoje reclama por mais meios humanos, técnicos e fianceiros.

A proposta original é do Bloco de Esquerda, mas tanto socialistas como sociais-democratas concordam com a criação de uma nova entidade que centralize a receção e fiscalização das declarações de rendimentos e património dos altos cargos públicos e políticos, noticia o “Público” esta quarta-feira. No entanto, o PCP e o CDS-PP discordam desta nova entidade fiscalizadora.

Quando os bloquistas propuseram a criação deste novo organismo, há cerca de um ano, as bancadas comunista e centrista mostraram abertura para estudar o caso, mas agora discordam da proposta, e recusam considerar o que dizem ser uma espécie de “polícia de fiscalização dos políticos”, segundo o matutino.

A nova entidade teria a designação de Entidade da Transparência e funcionaria junto do Tribunal Constitucional (TC). A ideia é que seja constituída por um presidente e dois vogais, todos eleitos numa lista apresentada e votada pelo plenário do Constitucional.

A proposta foi discutida na terça-feira na Comissão Eventual para o Reassembleiaforço da Transparência em Funções Públicas, sendo uma das divergências entre as forças partidárias  a composição do novo organismo.

O PS e PSD não querem que um dos vogais seja, necesariamente, um oficial de contas. Ainda assim, todos os partidos concordam que a nova entidade – a concretizar-se a sua criação – seja dotada de meios.

Atualmente, a fiscalização das declarações de rendimentos e património dos altos cargos públicos e políticos é uma das funções do TC, que já hoje reclama por mais meios humanos, técnicos e fianceiros.

Ler mais
Recomendadas

Ministra da Cultura quer resolver “dossiês prioritários”

Um mês depois de ter tomado posse, sucedendo a Luís Filipe Castro Mendes, e a um ano de distância das eleições legislativas de 2019, Graça Fonseca tem alguns meses para “resolver e desbloquear as questões que foram mais polémicas ao longo deste ano”, como o modelo reformulado de apoio às artes e o regime de autonomia dos museus e monumentos.

Cimeira ibérica de amanhã centrada nas relações fronteiriças

A cimeira ibérica de Valladolid marca estreia de Pedro Sánchez na qualidade de primeiro-ministro de Espanha.

Ação de rotina ao fecho de contas da Empordef deteta minas antipessoais desmilitarizadas

“A GNR fez uma avaliação preliminar do material detetado, elaborou o relatório e o auto de notícia” já foi participado ao Ministério Público, explica o Ministério, acrescentando que, de acordo com “a Empordef e a IdD, entidades que procederam à verificação do acondicionamento, não existe um risco para a segurança”.
Comentários