PremiumCrimeia: Seis anos depois da anexação russa, tensão regressa à península

O incidente no estreito de Kerch fez renascer velhas feridas na península da Crimeia. A Rússia vai mobilizar novas tropas para a região, como resposta à “provocação” ucraniana de invadir as suas águas territoriais. Do lado ocidental, a Ucrânia prepara-se também para responder a uma eventual ofensiva. A tensão está ao nível de 2014, quando a Crimeia foi anexada pelo regime russo.

Se as relações entre a Ucrânia e a Rússia já estavam tremidas, então o incidente ocorrido no último fim de semana no estreito de Kerch, que liga o Mar Negro ao Mar de Azov, veio agitar ainda mais as águas. A Rússia acusa o país vizinho de “provocação”, ao violar as regras marítimas internacionais, e anunciou que vai reforçar os mecanismos de defesa junto à fronteira. A chegada de novas tropas russas à península da Crimeia está a alarmar a Ucrânia e os seus aliados ocidentais, que temem que a guerra de palavras entre os dois países venha a reavivar velhas tensões na região e incentivar novas ambições expansionistas por parte da Rússia.

O presidente russo, Vladimir Putin, tem ignorado os pedidos internacionais para que sejam libertados os três navios da marinha ucraniana – duas pequenas lanchas blindadas e um rebocador – e os 24 tripulantes  que foram capturados pela guarda costeira da marinha de guerra da Rússia no passado domingo. O serviço de segurança russo FSB defende que o incidente foi provocado pelos navios ucranianos, que ignoraram os avisos da guarda costeira e entraram em águas territoriais alheias. No entanto, a Ucrânia garante que os seus navios estavam em águas neutrais e que, em momento algum, foram violadas as leis internacionais. A esta “invasão” da Ucrânia, a guarda costeira russa respondeu com vários disparos, que deixaram três tripulantes feridos.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumMadeira Wine Company mergulha na ciência para aprimorar Vinho da Madeira

Desenvolvimento de estudos científicos permitiu dar um salto qualitativo em termos da produção do Vinho da Madeira, diz Francisco Albuquerque, diretor de vinhos da Madeira Wine Company.

PremiumJaponeses da Marubeni querem assumir 100% da AGS

Grupo nipónico quer comprar à INCJ os 50% que não detém na gestora de concessões de abastecimento de águas e de tratamento de águas residuais.

PremiumCredores ameaçam tomar controlo da Brisal

Credores exigem 326 milhões à Brisal e uma redução do ‘fee’ anual de 12 milhões que a Brisa recebe pela manutenção da A17. Estado terá de validar ‘step in’. Brisa rejeita estratégia dos fundos – que pretendem retorno de 269% – e quer acordo que garanta viabilidade económica da concessão.
Comentários