PremiumCriptomoeda IVA pode ser a “evolução natural” do e-fatura português

A AT apontou para as potencialidades da tecnologia blockchain para o pagamento de impostos. Em entrevista ao Jornal Económico, o advogado especializado nesta tecnologia e membro do departamento legal e jurídico da APBC, Rui Simões, explicou que esta poderá ser uma opção em Portugal.

Cristina Bernardo

O uso de criptomoedas para o pagamento de impostos é uma realidade que está a ser estudada por alguns países. Depois de a Autoridade Tributária (AT) ter apontado para as potencialidades da tecnologia blockchain (base das criptomoedas) e para este tipo de moeda digital conhecida por VAT coins ou moeda IVA, no Plano Estratégico de Combate à Fraude e Evasão Fiscal e Aduaneira 2018-2020, o advogado Rui Simões explicou que esta poderá ser uma opção em Portugal.

Artigo reservado a assinantes do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. 

 

Relacionadas

‘bCommerce’: como a blockchain pode eliminar intermediários comerciais

A empresa holandesa nTitle pretende revolucionar o comércio com a implementação da blockchain no setor. Pronto a lançar um ICO para financiar o projeto, o fundador e CEO Peter van Grinsven explicou, em entrevista ao Jornal Económico, o potencial do ‘bcommerce’.

Googlecoins? Facecoins? Applecoins? “Dentro de cinco anos!”, afirma CEO da TeamBlockchain

Quando não os podes vencer, junta-te a eles. A proliferação de ICO, um mercado não-regulado, vai acabar por impor uma prática cada vez mais comum. E as grandes empresas não vão ficar fora do sistema muito tempo.

Governo testa blockchain em concurso público com prémio de 90.000 euros

Abriram esta quarta-feira as inscrições para o GovTech. Em entrevista ao Jornal Económico, a secretária de Estado Graça Fonseca explica que o Governo emitiu um ‘token’ para democratizar a escolha dos três projetos vencedores.
Recomendadas

OCDE quer maior facilidade nos processos de insolvência em Portugal

No relatório sobre a economia portuguesa, a OCDE explica que a rendibilidade da banca melhorou, mas continua baixa e que o crédito malparado tem vindo a diminuir, mas continua elevado. Facilitar a liquidação de empresas insolventes e reduzir as restrições à sua saída do mercado estão entre as recomendações.

Subida de taxas de juro do BCE terá impacto negativo para famílias e empresas, alerta OCDE

OCDE considera que normalização da política monetária por Frankfurt poderá ter um impacto negativo para as despesas das famílias e empresas portuguesas. Consolidação orçamental é para manter, diz, e aconselha limitar o acesso às reformas antecipadas.

OCDE recomenda que Portugal suba os impostos sobre o gasóleo

OCDE considera que existe margem para aumentar a fiscalidade ambiental e que “tarifários nacionais de algumas fontes de energia não refletem os custos ambientais associados à sua utilização”. Promoção de utilização de transportes públicos e novas soluções de transporte partilhados são também recomendadas.
Comentários