Crise no PSD: Paulo Rangel diz que Rui Rio demonstrou “coragem” e “bom senso”

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro manifestou disponibilidade para se candidatar à liderança e desafiou Rui Rio a convocar eleições diretas antecipadas de imediato.

O eurodeputado do PSD Paulo Rangel elogiou no sábado o presidente do partido, considerando que demonstrou “coragem”, “bom senso e sentido de Estado”, e defendeu que “não é bom nem positivo” abrir uma crise política a meses de eleições.

“Abrir uma crise política em pleno período eleitoral, a meio do mandato, sem haver nenhum acontecimento excecional, sinceramente é algo que é inédito e não é bom nem é positivo”, afirmou Paulo Rangel, em declarações transmitidas pela SIC num jantar organizado pela distrital da Guarda do PSD.

Paulo Rangel elogiou a declaração de Rui Rio, que ao final da tarde anunciou, no Porto, que recusava o repto lançado na véspera por Luís Montenegro de convocar eleições diretas antecipadas, mas pediu a convocação de uma reunião extraordinária do Conselho Nacional para votar uma moção de confiança à direção.

“Julgo que hoje o presidente do partido, de uma forma muito clara e determinada, pôs as coisas no seu lugar, mostrou bom senso, sentido de Estado, sentido de responsabilidade, mas, ao mesmo tempo, coragem no sentido de dizer: então vamos clarificar as coisas e arrumar esse assunto”, referiu o eurodeputado e cabeça de lista do PSD nas europeias em 2009 e 2014.

Já na sexta-feira à noite, em entrevista ao “Programa das 9”, na TVI 24, Rangel tinha classificado como anormal que “em pleno período eleitoral” o PSD entrasse “numa discussão interna enquanto os outros partidos estão a fazer campanha eleitoral”.

“Isto cria uma crise política que deixa o partido numa situação difícil”, referiu, admitindo estar surpreendido com a posição de Luís Montenegro.

Na sexta-feira, o antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro manifestou disponibilidade para se candidatar à liderança e desafiou Rui Rio, que completa no domingo um ano de mandato, a convocar eleições diretas antecipadas de imediato.

“A minha resposta é não”, afirmou hoje Rui Rio, em relação ao repto de convocar eleições, anunciando, por outro lado, que pediu a convocação de um Conselho Nacional extraordinário para que o órgão aprecie e vote uma moção de confiança à sua direção.

“Se for esse o seu entendimento, o Conselho [Nacional] pode retirar a confiança à direção nacional e assumir democraticamente a responsabilidade de a demitir. Se os contestatários não conseguiram reunir as assinaturas para a apresentação de uma moção de censura, eu próprio facilito-lhes a vida e apresento […] uma moção de confiança”, referiu o presidente do PSD.

Ler mais
Relacionadas

Guerra aberta no PSD: conheça os ‘mimos’ entre Rio e Montenegro

Enquanto o líder do PS e primeiro-ministro António Costa encara esta divisão interna do PSD com alguma bonomia a cerca de quatro meses de eleições legislativas, deixamos-lhe alguns dos ‘mimos’ e ‘galhardetes’ que os pretendentes ao ceptro social-democrata têm trocado entre si. Só nas últimas horas.

Rui Rio já convocou reunião extraordinária do Conselho Nacional do PSD

Pouco mais de 24 horas passadas sobre a avançada de Luís Montenegro, Rui Rio ripostou de forma dura e quer tudo clarificado no PSD.

Crise no PSD: Rio acusa Montenegro de “fazer o jogo” do PS e de Costa

“Não há memória de na historia da democracia portuguesa, um dirigente ter lançado tamanha confusão e instabilidade no seu partido a tão pouco tempo das eleições. É difícil imaginar melhor serviço ao PS e ao Governo”, acusou o presidente do PSD, referindo-se a Luís Montenegro.
Recomendadas

Brexit: saída sem acordo é praticamente inevitável

Saída de Theresa May da chefia do governo britânico e da frente de negociações do Brexit mudará alguma coisa? Aparentemente não, até porque o seu sucessor só pode ser da linha dura dos conservadores. E Bruxelas já não quer saber do assunto para nada.

Fórum do BCE de ‘despedida’ de Draghi esta segunda-feira em Sintra

O último Fórum do Banco Central Europeu (BCE) com Mario Draghi na liderança começa na segunda-feira, em Sintra, e decorre até quarta-feira, sob o mote dos 20 anos da zona euro.

Catarina Martins quer que PS aprove “valorização salarial”

Catarina Martins salientou que “os salários em Portugal são baixos demais no setor público como no setor privado”, observando que o crescimento da economia “não é acompanhado por um crescimento proporcional dos salários”, o que provoca “desigualdades crescentes de rendimentos”.
Comentários