Cristas considera que o OE2019 “dá com uma mão e tira com a outra”

À saída de uma reunião com a UGT, para preparar o debate e as propostas alternativas do partido sobre o orçamento, a líder do CDS-PP disse estar preocupada com as medidas relacionado com o IRS.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, considerou esta terça-feira que Orçamento do Estado de 2019 “dá com uma mão e tira com a outra” por não atualizar as tabelas do IRS e penalizar as famílias.

“Vemos com muita preocupação o facto de não terem sido atualizados os escalões em linha com a inflação. Logo aí, temos um aumento dos impostos nas famílias portuguesas”, afirmou Assunção Cristas, no final de uma reunião com a direção da UGT, para preparar o debate e as propostas alternativas do partido sobre o orçamento.

Apesar de ter feito uma primeira leitura do documento, que “chegou muito tarde” ao parlamento, na segunda-feira à noite, a líder centrista admite que “é mais do mesmo” e “dá com uma mão e tira com a outra”.

Os escalões do IRS não vão sofrer qualquer atualização em 2019, segundo a proposta de Orçamento do Estado entregue segunda-feira no parlamento, o que poderá penalizar os contribuintes que venham a ter aumentos salariais.

Recomendadas

Igreja Anglicana propõe orações e chá para enfrentar incerteza do Brexit

Perante os últimos dias de incerteza que têm marcado o ‘Brexit’, a Igreja Anglicana no Reino Unido está a fazer uma proposta peculiar aos fiéis: beber uma chávena de chá e fazer uma “oração” pelo futuro do país.

May vai escrever a Tusk para pedir adiamento do Brexit

Secretário de Estado para o ‘Brexit’ admitiu ser “altamente provável e esperado que o Conselho Europeu peça um objetivo claro para qualquer extensão, sobretudo para determinar a sua duração”, sendo que a aprovação de uma extensão tem de ser por unanimidade.

Presidente do Parlamento britânico nega nova votação do ‘Brexit’ de Theresa May

John Bercow, que se tornou numa figura central no processo do Brexit, negou a May uma nova votação do tratado que a primeira-ministra negociou com Bruxelas.
Comentários