Custos de construção das casas aumentaram 2,7% em novembro

Esta subida representa mais 0,6 pontos percentuais face ao verificado nos meses de setembro e outubro. No mesmo período de análise, o custo da mão-de-obra registou igualmente um crescimento.

Cristina Bernardo

Os custos de construção de habitação nova aumentaram 2,7%, em novembro de 2018, mais 0,6 pontos percentuais (p.p.) do que em outubro, segundo os dados revelados esta segunda-feira, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Ao nível do preço dos materiais, verificou-se uma variação de 1,3%, face aos 1,4% do mês anterior, enquanto o custo da mão-de-obra notou uma subida de 1,5 p.p., para os 4,7%, de acordo com o organismo de estatística português.

O custo da mão-de-obra foi também o que deu um maior contributo na formação da taxa de variação homóloga do Índice de Custos de Construção de Habitação Nova (ICCHN) em novembro (1,9 p.p.), tendo o custo dos materiais dado um contributo menor (0,8 p.p.).

Ao nível da variação em cadeia a taxa de variação mensal do ICCHN foi de 0,8% em novembro. O custo dos materiais teve um aumento de 2,1% e a mão-de-obra uma diminuição de 0,1%, do qual resultaram contributos de 0,8 p.p. e nulo, respetivamente, para a variação mensal deste índice, refere ainda o relatório do INE sobre o ICCHN.

Relacionadas

PremiumConheça as novidades que vão pesar na conta, da habitação ao IRS

Todos os anos há atualizações em quase tudo o que faz parte do consumo corrente. O novo ano de 2019 não vai ser diferente neste aspeto, mas também há boas notícias nos impostos e na conta da luz.
Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Governo estima atribuir 156 mil novas pensões este ano

Os dados foram avançados por Mário Centeno na Comissão do Trabalho e da Segurança Social, em resposta a críticas dos deputados sobre atrasos na atribuição de pensões.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.
Comentários