Custos elevados impedem consumidores de recorrerem a arbitragem fiscal, denuncia a DECO

“Uma tabela de custas com um patamar mínimo de 306 euros não está ao alcance de quem tem causas de baixo valor e não viu o Fisco dar-lhe razão”, alerta a associação de defesa do consumidor.

Cristina Bernardo

A arbitragem fiscal é demasiado cara para os consumidores portugueses, que acabam por ver o acesso vedado a este recurso para resolver conflitos, segundo alerta a Deco. A associação de defesa do consumidor considera que o problema foi causado pela entrega exclusiva desta responsabilidade ao Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD).

“O Governo entregou o exclusivo da arbitragem fiscal ao CAAD, mas não zelou pelo acesso de todos os cidadãos à resolução alternativa de litígios. Uma tabela de custas com um patamar mínimo de 306 euros não está ao alcance de quem tem causas de baixo valor e não viu o Fisco dar-lhe razão”, acusa a Deco, na última da sua publicação.

A associação considera que uma entidade privada que intervém em processos com dinheiros públicos (impostos), como o CAAD, deve pautar-se por máximo rigor e transparência. No entanto, refere que a  seleção de árbitros e de análise de eventuais incompatibilidades carece de esclarecimento.

“Vamos manter-nos atentos e vigilantes. E não hesitaremos em denunciar as fragilidades do sistema”, garante, acrescentando que está a aguardar o resultado do grupo de trabalho criado para propor medidas de resolução amigável de conflitos com o Fisco.

Recomendadas

Tudo o que precisa de saber para investir em ações

O investimento não é imune ao risco, mas pode-se mitigá-lo. Dos fundos à plataformas online, investir em ações pode ser para todos.

BPI vence Prémio Cinco Estrelas na categoria de Banca Digital

O BPI é líder na penetração do homebanking, com quase metade dos seus clientes particulares a serem utilizadores deste canal. O mesmo acontece no caso dos clientes empresariais, em que 84,5% usam os canais digitais do Banco. Isto segundo o estudo BASEF Banca relativo ao período de fevereiro a agosto de 2018.

Escalões mantêm-se mas IRS sofre ajustes

Apesar de os limites máximos dos sete escalões do IRS não sofrerem alterações, o OE2019 prevê mudanças com impacto na carteira dos portugueses.
Comentários