Da soja ao algodão: estes são os produtos norte-americanos que a China poderá taxar

Pequim publicou esta quarta-feira uma lista de produtos norte-americanos, que em 2017 valeram 50.000 milhões de dólares nas importações chinesas, e que poderão sofrer um aumento das taxas alfandegárias, parte de uma disputa comercial com Washington.

Ler mais

Pequim publicou hoje uma lista de produtos norte-americanos, que em 2017 valeram 50.000 milhões de dólares nas importações chinesas, e que poderão sofrer um aumento das taxas alfandegárias, parte de uma disputa comercial com Washington.

A data para aumentar 25% nos impostos sobre as importações de soja ou aviões norte-americanos será anunciada mais tarde, dependendo se Washington avança com taxas alfandegárias que penalizarão as exportações chinesas no mesmo valor, segundo as autoridades chinesas.

Na terça-feira, a representação dos EUA para o comércio internacional (USTR, na sigla em inglês) divulgou uma lista de importações chinesas às quais propõe aplicar taxas alfandegárias, como retaliação pela “transferência forçada de tecnologia e propriedade intelectual norte-americana”.

As taxas propostas por Washington, e que só poderão entrar em vigor depois do período de apreciação pública, que termina em 11 de maio, afetam 1.300 produtos chineses de vários setores, incluindo aeronáutica, tecnologias de informação e comunicação ou ainda robótica e máquinas.

Um aumento dos impostos sobre aqueles setores é especialmente sensível para a liderança chinesa, que quer transformar o país numa potência tecnológica, com capacidades nos setores de alto valor agregado.

Observadores consideram que as crescentes disputas comerciais entre a China e os EUA podem levar outros países a aumentar as barreiras às importações, abalando o comércio mundial. De acordo com o Ministério da  Finanças chinês, estes são alguns dos produtos presentes na lista:

  • Soja
  • Carros
  • Sumo de laranja
  • Produtos químicos americanos
  • Aeronaves
  • Produtos à base de milho e trigo
  • Whiskey
  • Charutos e tabaco
  • Carne
  • Lubrificantes
  • Propano
  • Produtos de plástico
  • Algodão
  • Caminhões
  • SUVs
  • Veículos elétricos
Recomendadas

VEM “não foi aposta boa” mas trabalhei com transparência, garante Fernando Pinto

Segundo a edição de domingo do jornal Público, Fernando Pinto foi constituído arguido, no âmbito da investigação da Polícia Judiciária à compra da VEM, processo que decorreu entre 2005 e 2007, sob a suspeita de gestão danosa. Ex-presidente da TAP defende-se.

“Ilegalidades” e “erros de facto”: Multa sobre controlo da PT gera acusações da Altice a Bruxelas

No final de abril, a Comissão Europeia decidiu aplicar uma multa de 125 milhões de euros à multinacional Altice por esta ter concretizado a compra da operadora PT Portugal antes da notificação ou do aval de Bruxelas, violando assim as regras comunitárias.

Ministro da Economia pela primeira vez no Modtissimo

Manuel Caldeira Cabral vai estar no mais antigo certame ibérico do setor, que este ano espera mais de 400 compradores internacionais.
Comentários