Daesh reivindica duplo ataque no Irão

Até ao momento há registo de pelo menos sete vítimas mortais, depois de terem sido disparadados vários tiros e um bombista se ter feito explodir no sul de Teerão.

O autoproclamado Estado Islâmico reivindicou o ataque da manhã desta quarta-feira no parlamento iraniano e no mausoléu do aiatola Khomeini na capital do Irão. Até ao momento há registo de pelo menos sete vítimas mortais, depois de terem sido disparadados vários tiros e um bombista se ter feito explodir no sul de Teerão.

Os dois ataques terão acontecido ao mesmo tempo. Junto ao Parlamento, os atacantes terão disparado indiscriminadamente sobre as autoridades de segurança, ferido um dos polícias. O deputado Seyyed Naqavi-Hosseini presente no Parlamento conta à imprensa que havia pelo menos três homens armados dentro do complexo parlamentar com Kalashnikov. Os atacantes terão ainda feito vários reféns dentro do Parlamento e detonado uma bomba.

Noutro ponto da cidade, no sul, outro homem armado terá feito disparos e ter-se-á feito explodir no mausoléu do aiatola Khomeini, fundador da república iraniana, segundo informação divulgada pelas agências iranianas ILNA e Tasnim.

A imprensa iraniana avança que terão detido dois atacantes.

Relacionadas

Tiroteios no Parlamento do Irão e no Mausoléu de Khomeini

A imprensa iraniana avança que pelo menos uma pessoa terá morrido e outras oito terão ficado feridas. Até ao momento, as autoridades terão detido dois atacantes.
Recomendadas

Economia norte-americana deve compensar abrandamento chinês e alemão

Analistas antecipam que cenário de desaceleração de económico será “transitório” e que “o consumo e o investimento voltem a acelerar em 2020”.

Macron e gigantes tecnológicas pressionam governos para novo tratado

A iniciativa vai ser titulada de ”Apelo de Paris para Confiança e Segurança no Espaço Cibernético”. Com este tratado, Emmanuel Macron antecipa obter uma melhor qualidade na proteção de dados e combate às ameaças.

Desvalorização da investigação à dívida de Moçambique é “profundamente desapontante”

O Comité para o Jubileu da Dívida (CJD) considerou hoje que a desvalorização da investigação no Reino Unido aos empréstimos escondidos a duas empresas públicas de Moçambique, passando de investigação criminal a regulatória, é “profundamente desapontante”.
Comentários