Deco propõe baixar IVA do gás engarrafado para 6%

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor considera que se trata de um “serviço essencial” que está a ser “taxado como luxo”.

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) defendeu esta sexta-feira que o IVA aplicado ao gás engarrafado baixe de 23% para 6% por se tratar de um “serviço essencial” que está a ser “taxado como luxo”.

“Cerca de dois terços dos lares nacionais ainda têm uma garrafa de gás em casa como principal combustível para a cozinha e aquecimento. O preço desta energia duplicou nos últimos 15 anos e, face ao gás natural, custa mais do dobro por quilowatt-hora (kWh), de acordo com a última análise publicada na revista “Proteste” em 2017”, alerta a associação.

Numa nota divulgada esta manhã, a Deco argumenta que há consumidores portugueses que não podem optar pelo gás natural, uma vez que está limitado às principais cidades do país, pelo que é “fulcral” a diminuição da taxa.

A entidade lembra ainda o estudo da Autoridade da Concorrência que concluiu que o mercado do gás de botija é muito concentrado – com poucos agentes de mercado – e que a procura não tem sofrido alterações independentemente dos preços praticados.

“Enquanto isso, as margens de lucro dos operadores aumentam, já que a redução dos custos de importação, que se verificou a partir de 2014, motivada pela descida do preço do petróleo, não se tem refletido no preço final pago pelos clientes”, explica a Deco, no mesmo comunicado.

Relacionadas

Taxas Euribor mantêm-se a três, seis, nove e 12 meses

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, voltou esta sexta-feira a ser fixada em -0,319%, o mesmo valor desde 30 de julho e um máximo dos últimos seis meses, contra o atual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de abril de 2017.
Recomendadas

Conselho Europeu aprova mecanismo de apoio comum para o Fundo Único de Resolução

Em dezembro, os líderes europeus acordaram os termos de referência do mecanismo de apoio comum ao FUR, podendo este ser implementado antecipadamente desde que tenham sido realizados progressos suficientes na redução dos riscos, a avaliar em 2020.

Governo nega protesto diplomático de Angola por incidentes no Bairro da Jamaica

Santos Silva concluiu que se houver um pedido de esclarecimentos, os mesmos serão “evidentemente prestados”.

Continental Mabor pede aos Correios para não fechar posto de Lousado

Pedro Carreira, responsável da quarta maior exportadora em Portugal, está preocupado com o efeito de um eventual encerramento do posto de Correios em Lousado.
Comentários