Deco propõe baixar IVA do gás engarrafado para 6%

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor considera que se trata de um “serviço essencial” que está a ser “taxado como luxo”.

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) defendeu esta sexta-feira que o IVA aplicado ao gás engarrafado baixe de 23% para 6% por se tratar de um “serviço essencial” que está a ser “taxado como luxo”.

“Cerca de dois terços dos lares nacionais ainda têm uma garrafa de gás em casa como principal combustível para a cozinha e aquecimento. O preço desta energia duplicou nos últimos 15 anos e, face ao gás natural, custa mais do dobro por quilowatt-hora (kWh), de acordo com a última análise publicada na revista “Proteste” em 2017”, alerta a associação.

Numa nota divulgada esta manhã, a Deco argumenta que há consumidores portugueses que não podem optar pelo gás natural, uma vez que está limitado às principais cidades do país, pelo que é “fulcral” a diminuição da taxa.

A entidade lembra ainda o estudo da Autoridade da Concorrência que concluiu que o mercado do gás de botija é muito concentrado – com poucos agentes de mercado – e que a procura não tem sofrido alterações independentemente dos preços praticados.

“Enquanto isso, as margens de lucro dos operadores aumentam, já que a redução dos custos de importação, que se verificou a partir de 2014, motivada pela descida do preço do petróleo, não se tem refletido no preço final pago pelos clientes”, explica a Deco, no mesmo comunicado.

Relacionadas

Taxas Euribor mantêm-se a três, seis, nove e 12 meses

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, voltou esta sexta-feira a ser fixada em -0,319%, o mesmo valor desde 30 de julho e um máximo dos últimos seis meses, contra o atual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de abril de 2017.
Recomendadas

Ministro afirma que salário mínimo de 600 euros em 2019 “é ponto de partida”

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, falava à saída da reunião da Concertação Social, em Lisboa, onde começou esta tarde a ser discutido o aumento do salário mínimo nacional para 2019. Atualmente é de 580 euros.

Economia terá expandido 2,2% no terceiro trimestre, com procura externa a provocar abrandamento

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga os números do PIB esta quarta-feira às 11 horas, e a confirmar-se a previsão, será uma ligeira desaceleração face à expansão homóloga de 2,3% no trimestre anterior. Em cadeia, ou seja, face ao segundo trimestre, a estimativa média aponta para os 0,5%.

Fundo para investigar desaparecimento de Madeleine McCann reforçado com mais 167 mil euros

Financiamento será direcionado para os próximos seis meses de investigação, ou seja, até 31 de março do próximo ano. Até hoje, e passados 11 anos do desaparecido de Madeleine McCann, a Operação Grange custou 11,6 milhões de libras (mais de 12 milhões de euros).
Comentários