Défice da balança comercial desce para 1.203 milhões de euros em setembro

A diminuição, em termos homólogos, foi de 49 milhões de euros. A desaceleração esteve condicionada pela paragem das refinarias nacionais, que se refletiu no comportamento global quer exportações quer das importações nos meses de agosto e setembro, segundo o Instituto Nacional Estatística.

Peter Nicholls/Reuters

O défice da balança comercial portuguesa desceu para 1.203 milhões de euros em setembro, segundo os dados divulgados esta sexta-feira, 9 de novembro, pelo Instituto Nacional Estatística (INE).

A diminuição, em termos homólogos, foi de 49 milhões de euros. O organismo de estatística português deu ainda conta de que, nesse mês, as exportações e as importações desaceleraram e subiram 1,7% e 0,5%, respetivamente.

A desaceleração esteve condicionada pela paragem das refinarias nacionais, que se refletiu no comportamento global quer exportações quer das importações nos meses de agosto e setembro, segundo o INE.

“Excluindo os Combustíveis e lubrificantes a balança comercial atingiu um saldo negativo de 897 milhões de euros, correspondente a uma diminuição do défice de 53 milhões de euros em relação a setembro de 2017”, refere o relatório do INE, tornado público esta manhã.

Notícia atualizada às 11h21

Ler mais
Recomendadas

Fundação José Berardo: estatutos dizem que fundação tem de cobrir despesas do empresário e família

Os estatutos indicam ainda que “no caso da fundação se extinguir antes da morte do fundador ou do último dos seus descendentes, os bens afetos à fundação pelo fundador, ou dos que estejam no lugar deles, reverterão para o mesmo fundador ou seus descendentes”.

Défice da balança de bens e serviços aumenta nos primeiros três meses do ano

Em comparação com o período homólogo, verifica-se que o défice do saldo acumulado das balanças aumentou, sendo que em 2018 o valor fixou-se nos 78 milhões de euros.

Eletricidade em Portugal entre as mais caras da União Europeia

Portugal paga a sexta eletricidade mais cara entre os estados-membros. É de destacar que as taxas e impostos e outros custos do sistema elétrico pesam 55% na fatura total dos portugueses.
Comentários