Défice da balança comercial subiu para 1.593 milhões de euros em outubro

Os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística esta segunda-feira mostram que as exportações e as importações registaram variações homólogas nominais de +5,9% e +5,3%.

Peter Nicholls/Reuters

O défice da balança comercial de bens portuguesa subiu para 1.593 milhões de euros em outubro, um valor superior em 54 milhões de euros comparativamente ao período homólogo de 2017, segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira. Nesse mês, as exportações aceleraram e as importações ultrapassaram novamente as anteriores, com subidas homólogas nominais de 5,9% e 5,3%, respetivamente.

“Excluindo os combustíveis e lubrificantes, a balança comercial atingiu um saldo negativo de 1.100 milhões de euros, correspondente a um aumento do défice de 39 milhões de euros em relação a outubro de 2017. Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações aumentaram 8,5% e as importações cresceram 7,6% (+2,6% e +1,4%, respetivamente, em setembro de 2018)”, refere o INE.

Segundo o organismo de estatística português, no trimestre terminado em outubro, as exportações e as importações de bens aumentaram ambas: 3,1% e 4,5%, respetivamente, quando comparado com o trimestre homólogo do ano passado. No relatório publicado esta manhã, o INE explica que tanto as exportações como as importações cresceram devido ao aumento verificado no comércio Intra-União Europeia (UE), dado que as exportações Extra-UE diminuíram.

Em setembro, o défice da balança comercial portuguesa tinha descido para 1.203 milhões de euros – uma diminuição, em termos homólogos, de 49 milhões de euros.

Notícia atualizada às 11h19

Ler mais

Recomendadas

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.

Banco de Portugal quer rever regras sobre governo e controlo interno de bancos

Segundo o BdP, atualmente as regras que os bancos têm de cumprir estão nos avisos n.º 10/2011 sobre as regras que regem as remunerações e n.º5/2008 sobre sistema de controlo interno, considerando que é necessário rever estes regulamentos para levar em conta as melhores práticas e as “lições” que dos últimos anos permitiu retirar.

BCE lucra 2,4 mil milhões de euros em 2019

A maior fonte de receitas da instituição liderada por Christine Lagarde é a compra de ativos (1,4 mil milhões de euros em 2019), como a dívida pública. O Banco Central Europeu (BCE) teve um lucro de 2.366 milhões de euros em 2019, acima dos 1,6 mil milhões de euros reportados em 2018.
Comentários