Delegados do Sindicato de magistrados do MP discutem hoje Estatuto e modelo de greve

Cerca de meia centena de magistrados participam hoje numa assembleia de delegados do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) para discutir a revisão do Estatuto do MP e o modelo de uma greve prevista para fevereiro.

Na véspera do encontro, que juntará em Lisboa delegados de todo o país, o presidente do SMMP, António Ventinhas, referiu que a assembleia de delegados irá “decidir sobre a situação atual do Estatuto do MP face aos desenvolvimentos recentes na Assembleia da República e à posição assumida por vários deputados” sobre a matéria.

Em discussão vai estar também o modelo de greve que os magistrados do MP vão realizar em fevereiro, nomeadamente as datas para a marcação da greve, que poderá vir a ser dilatada no tempo. Em análise está a eventual criação de um “fundo de greve” para apoiar o protesto que poderá ser longo ou espaçado.

António Ventinhas considerou “imperfeita” a proposta de revisão do Estatuto do MP, cujo processo legislativo ainda decorre no Parlamento, e teme que algumas matérias constantes do diploma e que foram negociadas com o Ministério da Justiça possa vir a ser alteradas por deputados do PS e PSD em sede de especialidade.

O presidente do SMMP entende também que, apesar das posições assumidas publicamente pela ministra da Justiça, Procuradora-geral da República e Presidente da República, sobre a composição do Conselho Superior do MP, persiste, contudo, o perigo de deputados do PSD e PS poderem, em conjunto, mexer na atual composição daquele órgão de gestão e disciplina dos magistrados do MP.

Além da composição do CSMP, o SMMP manifesta-se preocupado com matérias da proposta de Estatuto do MP relacionadas com questões disciplinares e de carreira.

Em dezembro último, o SMMP anunciou uma greve para o início de fevereiro, designadamente contra a intenção do PS e PSD de alterarem a estrutura do CSMP, compondo-o maioritariamente por não magistrados, pondo em causa a autonomia desta magistratura.

Na altura, o SMMP criticou declarações dos deputados Jorge Lacão (PS) e Carlos Peixoto (PSD) sobre mudanças na composição do CSMP, alegando que os representantes dos grupos parlamentares do PS e do PSD estavam a defender “o controlo político do Ministério Público, por intermédio do CSMP”.

Na opinião do SMMP, ter uma maioria de membros nomeados ou escolhidos politicamente para o CSMP, permitiria “um controlo absoluto sobre toda a estrutura hierárquica do MP, uma vez que os políticos poderão escolher desde o vice-procurador-geral da República ao procurador coordenador de comarca”.

Ler mais
Recomendadas

Presidente da Câmara de Castelo Branco notificado da perda de mandato

O advogado Artur Marques disse estar “verdadeiramente em choque com a decisão” do tribunal, que, no seu entender, “tem uma conceção verdadeiramente errada dos pressupostos da perda de mandato, por dois motivos”.

Michel Platini detido em França por suspeitas de corrupção relacionada com escolha do Mundial de 2022

O antigo presidente da UEFA é suspeito de ter favorecido a candidatura do Qatar para organizar o Mundial 2022.

Lava Jato: Juíz do Supremo brasileiro pede prisão de alegados hackers

O juiz do Supremo Tribunal Federal brasileiro (STF) Alexandre de Moraes pediu na segunda-feira a prisão dos ‘hackers’ que, no seu entender, invadiram telemóveis de magistrados e procuradres envolvidos na Operação Lava Jato, avança a imprensa local brasileira
Comentários