Depois das quedas, o purgatório? O que se segue para as criptomoedas

As altcoins estão a sofrer de forma mais severa devido ao aumento da supervisão regulatória, especialmente da norte-americana Securities and Exchange Commission (SEC).

Cristina Bernardo

A fase de desvalorizações das criptomoedas poderá ter chegado ao fim, mas isso não significa que comece um bull market. Segundo Thomas Lee, head of research da Fundstrat Global Advisors, antes de retomarem os ganhos, as criptomoedas ainda vão passar por uma fase de purgatório, que deverão acontecer ao longo das próximas semanas.

“Primeiro o purgatório, depois o bull market. Enquanto o grosso do declínio ficou para trás, o bull market para as altcoins [criptomoedas alternativas à bitcoin] não está, no entanto, necessariamente em curso. Em ciclos anteriores, as altcoins passam por um purgatório”, referiu Lee, numa nota de research, a que o Market Watch teve acesso.

head of research da Fundstrat Global Advisors considera que este período de limbo, caracterizado por indecisão, deverá durar entre 150 e 175 dias, antes de se transformar numa tendência de subida. Disse ainda que estes ativos estão a sofrer de forma mais severa devido ao aumento da supervisão regulatória, especialmente da norte-americana Securities and Exchange Commission (SEC).

“O motivo para esta duração mais longa é a atual nuvem negra que pende sobre as cripto é realmente específica às altcoins. A SEC não apresentou informação clara e completa sobre se todas as altcoins ligadas a ICO [Inicial Coin Offerings] são tokens securitizados (o que exige registo)”, explicou Thomas Lee.

“Além disso, a dúzia de investigações da SEC a ICO obviamente cria um risco global. Portanto, a nossa estratégia de nos mantermos com tokens de grande capitalização provavelmente durará todo o verão”, acrescentou.

Relacionadas

Venezuela condena sanções contra criptomoeda e acusa EUA de provocar caos económico

O Governo da Venezuela condenou esta segunda-feira “veemenentemente” a decisão do Presidente norte-americano, Donald Trump, de proibir operações com o Petro, a criptomoeda venezuelana, e acusou os EUA de querer provocar o caos económico no país.

Criada primeira associação portuguesa para utilizadores de moedas digitais

Em declarações à agência Lusa, o presidente da BTC, Fred Antunes, explicou que “era cada vez mais imperativo” criar esta associação – a primeira do género em Portugal –, por haver “um interesse cada vez maior à volta” da tecnologia ‘blockchain’ (que permite guardar dados de forma descentralizada e privada) e da transação de moedas digitais.

Respostas rápidas: Como são roubadas as criptomoedas e como se proteger?

E-mails falsos, cópia de páginas no Facebook e convites aliciantes que oferecem bitcoins… As formas utilizadas pelos piratas informáticos para roubar criptomoedas são muitas. Veja aqui alguns exemplos e conselhos para minimizar os riscos.
Recomendadas

Sinal misto em Wall Street com o Nasdaq a estragar o ramalhete

A banca dominou Wall Street. No Dow Jones, o setor financeiro liderou os avanços: JPMorgan (+ 2,9%); Goldman Sachs (+ 2,92%); o Citigroup valorizou 3,31%, e o Bank of America que ganhou 2,58%.

Farfetch aumenta preço da entrada em bolsa para até 19 dólares por ação

Depois de o interesse dos investidores em ações tecnológicas, a Farfetch aumentou o preço das ações em cerca de dois dólares para, entre os 17 e os 19 dólares, avaliando a empresa entre 4,9 e 5,5 mil milhões de dólares.

BCP brilha na bolsa de Lisboa, que acompanha otimismo europeu

As bolsas europeias fecharam em alta puxada por quatro motores: Banca, automóveis, recursos naturais e o setor químico. O BCP lidera subidas do PSI 20.
Comentários