Desparecimento de Jamal Khashoggi: Trump promete “castigo severo” se a Arábia Saudita estiver envolvida

Donald Trump afirmou que os dirigentes sauditas “negam de todas as maneiras que se possa imaginar” a alegação de que o jornalista saudita tenha sido morto no consulado da Arábia Saudita em Istambul.

Jonathan Ernst/REUTERS

O presidente norte-americano, Donald Trump, admitiu hoje que a Arábia Saudita possa estar por detrás do desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi e advertiu que, se for esse o caso, haverá um “castigo severo”.

“Vamos investigar [o desaparecimento] até ao fim e haverá um castigo severo”, disse o presidente norte-americano numa entrevista à televisão CBS gravada na quinta-feira e de que foram divulgados excertos.

Trump afirmou que os dirigentes sauditas “negam de todas as maneiras que se possa imaginar” a alegação de que o jornalista saudita tenha sido morto no consulado da Arábia Saudita em Istambul, mas acrescentou: “Podiam ser eles? Sim”.

Na entrevista, que vai ser difundida no domingo à noite na íntegra, Trump diz que o caso é especialmente grave “porque este homem era um jornalista”, admitindo que pode ser “uma surpresa” ouvi-lo dizer isso, numa aparente referência às numerosas ocasiões em que atacou a imprensa.

O presidente voltou contudo a excluir uma limitação da venda de armamento pelos Estados Unidos ao reino saudita, afirmando que “há outras maneiras de castigar” o país.

Jamal Kashoggi, um jornalista saudita crítico do regime de Riade a residir há algum tempo nos Estados Unidos, onde escrevia nomeadamente para o Washington Post, desapareceu a 02 de outubro depois de entrar no consulado saudita em Istambul, na Turquia.

Segundo o Washington Post, o governo turco informou as autoridades norte-americanas de que tem registos áudio e vídeo que mostram que o jornalista foi morto dentro do consulado.

Ler mais
Relacionadas

“Coreia do Norte pretende abolir todo o armamento nuclear”, garante Seul

O presidente sul-coreano deu conta da intenção de Kim Jong Un durante uma entrevista à “BBC”, destacando a vontade do líder norte-coreano em abandonar os programas nucleares e mísseis.
Recomendadas

Falhar o combate contra o aquecimento global “não seria apenas imoral, seria suicida”, diz António Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os representantes presentes na cimeira do ambiente que se não aumentarem os esforços em relação às alterações climática, os resultados serão “não apenas imorais, mas suicidas” para o planeta.

Número de jornalistas presos atinge novo recorde, com 251 profissionais aprisionados

Pelo terceiro ano consecutivo, cerca de 251 jornalistas estão presos em todo o mundo, o que sugere que a abordagem autoritária à cobertura crítica de notícias é mais do que um pico temporário. China, Egito e Arábia Saudita aprisionaram mais jornalistas do que no ano passado. A política é o tema mais arriscado, seguido pelos direitos humanos.

Catalunha novamente ameaçada com a interrupção da autonomia

Governo socialista acena com a possibilidade do regresso do artigo 155 – o que provocará eleições antecipadas na região. O perigo de essa antecipação se dar a nível nacional é cada vez maior.
Comentários