Desparecimento de Jamal Khashoggi: Trump promete “castigo severo” se a Arábia Saudita estiver envolvida

Donald Trump afirmou que os dirigentes sauditas “negam de todas as maneiras que se possa imaginar” a alegação de que o jornalista saudita tenha sido morto no consulado da Arábia Saudita em Istambul.

Jonathan Ernst/REUTERS

O presidente norte-americano, Donald Trump, admitiu hoje que a Arábia Saudita possa estar por detrás do desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi e advertiu que, se for esse o caso, haverá um “castigo severo”.

“Vamos investigar [o desaparecimento] até ao fim e haverá um castigo severo”, disse o presidente norte-americano numa entrevista à televisão CBS gravada na quinta-feira e de que foram divulgados excertos.

Trump afirmou que os dirigentes sauditas “negam de todas as maneiras que se possa imaginar” a alegação de que o jornalista saudita tenha sido morto no consulado da Arábia Saudita em Istambul, mas acrescentou: “Podiam ser eles? Sim”.

Na entrevista, que vai ser difundida no domingo à noite na íntegra, Trump diz que o caso é especialmente grave “porque este homem era um jornalista”, admitindo que pode ser “uma surpresa” ouvi-lo dizer isso, numa aparente referência às numerosas ocasiões em que atacou a imprensa.

O presidente voltou contudo a excluir uma limitação da venda de armamento pelos Estados Unidos ao reino saudita, afirmando que “há outras maneiras de castigar” o país.

Jamal Kashoggi, um jornalista saudita crítico do regime de Riade a residir há algum tempo nos Estados Unidos, onde escrevia nomeadamente para o Washington Post, desapareceu a 02 de outubro depois de entrar no consulado saudita em Istambul, na Turquia.

Segundo o Washington Post, o governo turco informou as autoridades norte-americanas de que tem registos áudio e vídeo que mostram que o jornalista foi morto dentro do consulado.

Ler mais
Relacionadas

“Coreia do Norte pretende abolir todo o armamento nuclear”, garante Seul

O presidente sul-coreano deu conta da intenção de Kim Jong Un durante uma entrevista à “BBC”, destacando a vontade do líder norte-coreano em abandonar os programas nucleares e mísseis.
Recomendadas

Só 15% dos cargos de liderança nas cotadas de Espanha são ocupados por mulheres

O número revela ser mais baixo que a quantidade de mulheres em cargos de conselhos de administração das mesmas empresas, que, no ano passado, registava 18,9%.

Respostas Rápidas: Bolsonaro usou o Whatsapp para ganhar as eleições?

Mais uma vez, os novos suportes das redes sociais voltam a estar em foco, a propósito de uma eventual utilização do Whatsapp por empresas ligadas à candidatura de Jair Bolsonaro, o candidato populista que ficou à frente na primeira volta das eleições brasileiras.

Presidente da Venezuela inaugura primeira fábrica de mineral Coltan

“Hoje inauguramos, no coração do Arco Mineiro do Orinoco, a primeira fábrica de concentração de Coltan, que gerará quase 7,8 milhões de euros diários de ingressos à nação”, disse.
Comentários