“Desprestigiou Portugal e as instituições”. CDS defende retirada de títulos honoríficos a Joe Berardo

Os democratas-cristãos consideram que Joe Berardo “desprestigiou Portugal, os portugueses e as suas instituições” e “não dignificou a sua Ordem”, ao “se eximir ao pagamento de dívidas que conscientemente contraiu”.

Cristina Bernardo

O CDS-PP defende que seja instaurado um processo disciplinar com vista a que sejam retirados títulos honoríficos ao comendador Joe Berardo. Os democratas-cristãos consideram que Joe Berardo “desprestigiou Portugal, os portugueses e as suas instituições” e “não dignificou a sua Ordem”, ao “se eximir ao pagamento de dívidas que conscientemente contraiu”.

Numa carta entregue ao presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, o grupo parlamentar do CDS-PP pede que a Chanceleria das Ordens Nacionais seja informada sobre as declarações de Joe Berardo na II Comissão de Inquérito à recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e à gestão do banco. O empresário, que deve milhões de euros à banca, incluindo à CGD, afirmou que não tem dívidas em património e é só somente um cidadão que procurou “ajudar os bancos”.

“O referido cidadão não só desprestigiou Portugal, os portugueses e as suas instituições, como também desrespeitou os ditames da virtude e da honra e não dignificou a sua Ordem”, lê-se na carta entregue pelo CDS-PP a Ferro Rodrigues.

Esta terça-feira, o candidato do CDS-PP ao Parlamento Europeu, Nuno Melo, afirmou, num jantar com militantes em Rio Maior, Santarém, que se sente “envergonhado” com a condecoração de Joe Berardo e defende que o empresário “não merece ser comendador de coisa nenhuma”. “Não merece ser comendador de coisa nenhuma”, afirmou, lembrando outros casos, como o do ex-presidente da PT Zeinal Bava e do antigo administrador da CGD Armando Vara.

“Sugiro realmente que se medite sobre a ligeireza com que se condecoram pessoas em Portugal e, desde logo, que se reavalie esta condecoração a Joe Berardo. Quem pede milhões a bancos e depois, enquanto se ri, diz que não deve nada, ao mesmo tempo que os contribuintes em dificuldade pagam, não merece ser comendador de coisa nenhuma”, afirmou Nuno Melo, num jantar com militantes em Rio Maior, Santarém, esta terça-feira.

Joe Berardo foi agraciado com o grau de comenda e grã-cruz da Ordem do Infante Dom Henrique. Fonte do Palácio de Belém afirma, no entanto, que a decisão de retirar as condecorações a Joe Berardo não passa pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Na segunda-feira, o Presidente da República defendeu que personalidades como o empresário Joe Berardo, condecorado por dois dos seus antecessores, têm “maior exigência de responsabilidade” e devem “ter decoro” e “respeitar as instituições”. “A responsabilidade é maior quanto maior for o relevo de quem desempenhou o desempenha posições de destaque na vida portuguesa”, afirmou.

Ler mais
Relacionadas

Berardo foi condecorado por Eanes e Sampaio. Empresário deve deixar de ser comendador? Há quem defenda que sim

Depois da polémica audição no Parlamento, Nuno Melo e José Miguel Júdice defendem que o empresário deve deixar de ser comendador. José Miguel Júdice admite devolver a sua condecoração se Marcelo Rebelo de Sosua não retirar a condecoração a Joe Berardo.

Marcelo não vê com maus olhos a retirada de condecorações a Joe Berardo

A decisão de retirar as duas condecorações está nas mãos do conselho das ordens nacionais. Mas se o conselho presidido por Manuela Ferreira Leite decidir retirar, o Presidente da República não se vai opor.
Recomendadas

Rio alerta que será “derrota para todos” se abstenção não baixar

O líder do PSD, Rui Rio, afirmou hoje que se os níveis de abstenção em Portugal forem idênticos aos das anteriores eleições Europeias isso representa “uma derrota para todos” e “também não é uma vitória para quem não vota”.

Costa pede aos portugueses para “não desaproveitarem” oportunidade de votar

O primeiro-ministro, António Costa, apelou hoje aos portugueses para “não desaproveitarem” a oportunidade de votar nestas eleições europeias e que “participem o mais possível”, considerando que é “o único momento” em que os cidadãos são todos iguais.

Assunção Cristas faz apelo à participação nas Europeias em “dia maravilhoso para votar”

Assunção Cristas admitiu que as europeias são “difíceis”, geralmente com elevada abstenção, mas que está um “dia maravilhoso para votar”.
Comentários