Devolução de embalagens e garrafas de plástico poderão ser premiadas pelo Governo

”A presente lei institui um sistema de incentivo à devolução de embalagens de bebidas em plástico não reutilizáveis e de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio”, lê-se no decreto-lei divulgado esta quarta-feira no Diário da Républica.

Um novo projeto-piloto que visa premiar o consumidor final pela devolução de embalagens e garrafas de plástico não reutilizáveis, foi publicado esta quarta feira, no Diário da República.

O objetivo deste novo projeto, que estará em curso até 31 de dezembro de 2019, vem no seguimento da lei que incentiva a devolução e depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio com o objetivo garantir o encaminhamento dos portugueses para a reciclagem. Esta lei será regulamentada no espaço de 180 dias.

De modo a garantir a recolha vão ser disponibilizados equipamentos que permitam a devolução destas embalagens de bebidas, instalados em grandes superfícies comerciais.  Relativamente aos ”critérios do projeto-piloto referido” estes serão ”definidos pelo membro do Governo responsável pela área do ambiente”, ou seja Matos Fernandes.

O Governo fica responsável de apresentar à Assembleia da República (AR) um relatório de avaliação do impacto de implementação deste projeto-piloto, até ao final do terceiro trimestre de 2021. Os centros comerciais ficarão responsáveis por implementar pontos de recolha devidamente assinaladas e exclusivamente dedicadsa ao comércio de bebidas em embalagens reutilizáveis ou 100% biodegradáveis.

A partir de 1 de janeiro de 2022 será obrigatória a existência de sistema de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio com depósito não reutilizáveis.

Recomendadas

Movimento cívico alerta para consequências da exploração de lítio na Serra d’Arga

A ação, promovida pelo Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, pretende sensibilizar para a “calamidade da exploração mineira massiva” na serra d’Arga e “parar” um projeto que “põe em causa 20%” daquele território.

Santander lidera ranking da sustentabilidade do Dow Jones Sustainability Index

Este índice, de referência de âmbito internacional, coloca pela primeira vez o Santander no topo a nível global e líder na Europa pelo segundo ano consecutivo, depois de avaliar o comportamento sustentável do grupo nas dimensões económica, ambiental e social.

Emissões de gases poluentes recuam na UE e em Portugal

Entre 1990 e 2017, as emissões de óxido de enxofre (SOx) na UE passaram de 5,42 mil toneladas para 2,3 mil toneladas, com Portugal a apresentar uma redução acima da média europeia.
Comentários