Devolução de embalagens e garrafas de plástico poderão ser premiadas pelo Governo

”A presente lei institui um sistema de incentivo à devolução de embalagens de bebidas em plástico não reutilizáveis e de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio”, lê-se no decreto-lei divulgado esta quarta-feira no Diário da Républica.

Um novo projeto-piloto que visa premiar o consumidor final pela devolução de embalagens e garrafas de plástico não reutilizáveis, foi publicado esta quarta feira, no Diário da República.

O objetivo deste novo projeto, que estará em curso até 31 de dezembro de 2019, vem no seguimento da lei que incentiva a devolução e depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio com o objetivo garantir o encaminhamento dos portugueses para a reciclagem. Esta lei será regulamentada no espaço de 180 dias.

De modo a garantir a recolha vão ser disponibilizados equipamentos que permitam a devolução destas embalagens de bebidas, instalados em grandes superfícies comerciais.  Relativamente aos ”critérios do projeto-piloto referido” estes serão ”definidos pelo membro do Governo responsável pela área do ambiente”, ou seja Matos Fernandes.

O Governo fica responsável de apresentar à Assembleia da República (AR) um relatório de avaliação do impacto de implementação deste projeto-piloto, até ao final do terceiro trimestre de 2021. Os centros comerciais ficarão responsáveis por implementar pontos de recolha devidamente assinaladas e exclusivamente dedicadsa ao comércio de bebidas em embalagens reutilizáveis ou 100% biodegradáveis.

A partir de 1 de janeiro de 2022 será obrigatória a existência de sistema de depósito de embalagens de bebidas em plástico, vidro, metais ferrosos e alumínio com depósito não reutilizáveis.

Recomendadas

Cabo Verde aprova programa com 5 milhões de euros para combate à seca e mau ano agrícola

Em conferência de imprensa, o porta-voz do Conselho de Ministros, Fernando Elísio Freire, explicou que o valor será distribuído por três áreas: pecuária e manutenção da capacidade produtiva com cerca de 882 mil euros, mobilização da água e a sua gestão 2 milhões de euros e criação de emprego 2,1 milhões euros.

Fim do uso de óleo de palma em combustíveis: PAN junta-se à Zero no protesto

O partido junta-se à associação ambientalista num apelo ao Governo e à Assembleia da República que legisle no sentido de impedir a presença do óleo de palma no gasóleo dos postos de abastecimento.

Ambientalistas pedem legislação que impeça uso de óleo de palma no gasóleo

O presidente da associação ambientalista Zero, Francisco Ferreira, fez esta segunda-feira um apelo ao Governo e à Assembleia da República que legisle no sentido de impedir a presença do óleo de palma no gasóleo dos postos de abastecimento.
Comentários